domingo, 29 de junho de 2014

De convenção em convenção



Há 60 anos, exatamente em 1954, eu comparecia à primeira convenção partidária, para concorrer a uma cadeira de deputado federal. Ontem, 2014, eu comparecia a outra convenção, para dizer que não desejava mais ter cargos eletivos. Foi, talvez, o discurso mais difícil da minha vida. Em Macapá, era esperado no aeroporto por mais de cinco mil pessoas, bandas de música, faixas e a militância de quase todos os partidos a gritar e exigir de mim: “Fica Sarney”. Muitas vozes se diziam órfãs, que o Amapá vai desaparecer da presença nacional e o Estado vai parar, porque as obras que ali existem fui eu quem as fez - três hidrelétricas, universidade, colégios do antigo Cefet, hospital da Rede Sarah, Zona de Livre de Comércio, Zona Franca Verde, estradas, ponte para a Guiana Francesa, no Oiapoque, recursos para escolas, saúde, saneamento e o porto de contêineres, entre outras. O povo é reconhecido pelo que fiz. Na convenção, comovido, vendo tanta gente chorar, pedi que me ajudassem compreendendo minha decisão, e com o coração de joelhos aceitassem que depois de 60 anos de mandatos, Deus me pedia que eu desse mais tempo para cuidar da minha saúde, da minha mulher e da minha família, e concluísse os livros inacabados.

Não vou abandonar a política. Ela, como eu disse ao ingressar na Academia Brasileira de Letras - onde sou o decano, o mais antigo membro -, que a política só tem uma porta, a da entrada. Virgilio Távora me dizia que só se saia da política quando o povo largava a gente, ou a gente largava o povo. Eu descobri outra maneira, a idade. Já não tenho o vigor dos meus 24 anos, do primeiro ano da primeira campanha.

Ocupei todos os cargos políticos da República, chegando mesmo a ser presidente. Sou o senador que mais tempo passou no Senado, do qual fui presidente quatro vezes: 38 anos. Atrás de mim vem Rui Barbosa com 33 anos.

Dividindo a política com a literatura, publiquei 142 títulos, alguns deles traduzidos em 12 línguas. Sou das Academias Maranhense e Braziliense de Letras, da Academia de Ciências de Lisboa, doutor por algumas universidades estrangeiras, entre as quais muito me orgulham a de Lisboa e a de Pequim. A França me condecorou com a mais elevada honraria mundial, a Grã-Cruz da Legião de Honra, criada por Napoleão. O que eu quero mais senão agradecer a Deus a vida que me deu, as estrelas que colocou em minhas mãos. Vou dar qualquer importância aos que me insultam? Eles daqui a alguns anos, e eu desejo que Deus lhes dê muitos e muitos, serão apenas o esquecimento dos ossos. Não tenho direito de odiá-los nem de ter ressentimentos. Encerro uma etapa da minha vida, vitorioso e sem mágoas.

Com a obrigação de ir à convenção do PMDB no Amapá, estive ausente da festa de sexta-feira, em São Luís, que consagrou Lobão Filho nosso candidato, uma revelação como líder da nova geração. Em um mês, sem propaganda e sem nada, apenas com o seu talento político, chegou aos 29% na última pesquisa, obrigando a empáfia do adversário a entrar em linha descendente e cair até a derrota. Sabe-se que agora, definido o quadro o que conta é a tendência. Lobão Filho está subindo, o outro está caindo. Recentemente, os analistas de pesquisas me afirmaram que quando começar o programa eleitoral, estas linhas se cruzarão. Edinho na frente, o atraso para trás. O “novo”, como dizem, é o mais antigo pensamento político de dois séculos, o comunismo, concebido por Marx e Engels como uma ideia da igualdade, generosa, que data da metade do século XIX, quase 200 anos, fracassou, e sua última lembrança são os milhões de mortos da tirania do Stalin. Chávez, da Venezuela, aqui veio pregá-la, como se o Maranhão fosse o fóssil político do Brasil e agora é o “novo” dos 200 anos!

Lula e Dilma estão com Edinho e com eles o povo do Maranhão. Nenhuma paixão tenho maior do que pela minha terra. Foi aqui que Deus abriu meus olhos para o mundo, fazendo-me nascer. Foi do povo maranhense que recebi o primeiro impulso. Retribui, devolvendo ao estado o que realizei, e tudo do que aqui foi feito passou pelas minhas mãos, até os adversários.

Vejo a felicidade dos meus anos e a mão da Deus.

COLUNA DO SARNEY
29/06/2014
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Credibilidade é o nosso maior patrimônio

Nosso objetivo é fazer jornalismo com seriedade, produzindo conteúdo regional, sobre política, economia, sociedade e atualidade, na forma de opinião, editorial e criticas. Não usamos de artifícios como sensacionalismo, imagens apelativas, chocantes ou degradantes, tampouco textos, frases, ou palavras chulas para obter acessos.

Não somos o primeiro a divulgar a informação, mas somos quem apresenta o conteúdo checado, aprofundado e diferenciado. Aqui oferecemos aquele algo mais que ainda não foi dito, ou ainda não foi mostrado. Noticias qualquer um pode divulgam, mas com apuração e seriedade só aqui.

Comentários anônimos, ou que contenham, palavrões, pornografia, ataques pessoais, calúnias ou difamações não serão publicados.

Jornalista Abimael Costa

LG Contabilidade Pública

LG Contabilidade Pública

Clinica Santo André

Clinica Santo André