quarta-feira, 25 de março de 2015

Hildo Rocha apresenta requerimento em defesa dos trabalhadores da indústria guseira




Em pronunciamento no plenário da Câmara Federal, terça-feira (24) o deputado Hildo Rocha manifestou apreensão com a crise vivenciada pelas indústrias de ferro-gusa instaladas no Maranhão que está ocasionando a demissão de trabalhadores do setor. O parlamentar citou o caso da Margusa, localizada no município de Bacabeira, que atua no Estado há 17 anos. “A empresa desligou as maquinas, fechou as portas e está demitindo 360 empregados”, argumentou. 

Rocha argumentou que para cada emprego, na indústria de gusa, são gerados cinco indiretamente. “Portanto, estamos falando de 1.800 pais ou mães de famílias desempregados, o impacto é muito forte na economia maranhense”, destacou. 

Crise

O Estado é o segundo maior produtor de ferro gusa do Brasil. 100% da produção maranhense tem como destino a exportação. Diferente de Minas Gerais que tem o mercado interno como principal comprador. Segundo o parlamentar, a atividade está ameaçada por causa da desvalorização da moeda chinesa, principal comprador da produção maranhense. 

Mas, o fator determinante para a crise do setor, é o descumprimento, por parte do Governo Federal da legislação do reintegra. “Desde o final do ano passado o tesouro nacional não está devolvendo o valor do PIS/COFINS arrecadado conforme estabelece a legislação do reintegra”, declarou.

Rocha alertou que a crise já se aproxima da cidade de Açailândia com a possibilidade do fechamento de mais quatro empresas: Gusa Nordeste; Viena; Siderúrgica Pindaré; e Siderúrgica Guarani. 

Providências

O parlamentar encaminhou, aos ministros, Armando Monteiro, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior; e Joaquim Levy, da Fazenda, requerimento solicitando providências para a regularização do problema evitando, assim, que mais 11.000 mil famílias venham a ser prejudicadas.

Aço verde

Outra ação apontada por Hildo Rocha, para ajudar no fortalecimento da indústria guseira maranhense, é o apoio do Governo Federal na conclusão da Aciaria Nordeste. “Quando entrar em operação, a empresa irá adquirir parte do ferro-gusa produzido no Maranhão. Será a primeira indústria do mundo a produzir o aço verde”, afirmou.

Considera-se “verde” o aço produzido com a utilização de carvão vegetal obtido de madeira originária de reflorestamento, em substituição ao carvão mineral que é mais poluente e mais agressivo ao meio ambiente.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Credibilidade é o nosso maior patrimônio

Nosso objetivo é fazer jornalismo com seriedade, produzindo conteúdo regional, sobre política, economia, sociedade e atualidade, na forma de opinião, editorial e criticas. Não usamos de artifícios como sensacionalismo, imagens apelativas, chocantes ou degradantes, tampouco textos, frases, ou palavras chulas para obter acessos.

Não somos o primeiro a divulgar a informação, mas somos quem apresenta o conteúdo checado, aprofundado e diferenciado. Aqui oferecemos aquele algo mais que ainda não foi dito, ou ainda não foi mostrado. Noticias qualquer um pode divulgam, mas com apuração e seriedade só aqui.

Comentários anônimos, ou que contenham, palavrões, pornografia, ataques pessoais, calúnias ou difamações não serão publicados.

Jornalista Abimael Costa

LG Contabilidade Pública

LG Contabilidade Pública

Clinica Santo André

Clinica Santo André