domingo, 12 de julho de 2015

Não estamos apenas regredindo, estamos, como seres humanos INVOLUINDO!



*Artenira Silva
Para que se possa abordar os 30 linchamentos ocorridos e mapeados no últimos 2 anos e meio no MA faz - se necessário considerar que: 

1) Estamos vivendo um momento de aumento indiscutível de violência cotidiana. A violência doméstica e intrafamiliar proporcionam uma experiência diária de naturalização da violência. Ambas continuam sendo subestimadas pelo Estado.

2) Nos espaços públicos, na mídia e nas redes sociais a população está permanentemente exposta à violência social e sua impunidade.

3) As duas vivências rotineiras anteriores suscitam medo. O medo é alimentado pela sensação e percepção da omissão e negligencia do Estado, especialmente dos poderes judiciário e executivo, o que gera descrença. 

4) A população tem introjetados os sentimentos de medo, descrença, raiva e ódio, ultimamente reafirmados por instituições que pregam a intolerância. 

5) Este conjunto de fatores aliados aos baixos IDHs do Estado, considerando- se especialmente que mais da metade da população maranhense sequer têm acesso a um defensor público, definem as condições ideias para que se pratique o justiçamento e as vinganças sumárias. 

Qual o prognóstico? Péssimo. Quais as saídas possíveis? O exercício compromissado, monitorado, permanentemente avaliado do funcionalismo público em geral. O enfrentamento e prevenção da violência doméstica e social eficaz é fundante para que a população volte a minimamente acreditar que é possível responder à violência de modo civilizado. 

Violência não é um comportamento inato. É aprendido nas experiências vivenciadas diariamente. A violência doméstica contra crianças e mulheres, que cresceu mais de 200 por cento nos últimos dez anos, ou seja, pós Maria da Penha, está na raiz do problema. 

Considere-se ainda que o exercício funcional de TODO funcionário público( atuando no executivo e no judiciário, incluindo- se os que atuam na saúde, na educação e segurança pública) tem sua parcela de contribuição positiva ou negativa para a prevenção ou agravamento da barbárie que se vive.

O executivo tem monitorado e cobrado CADA técnico responsável pela execução de cada política? Ou permanece permitido que o funcionalismo público exerça sua função sem eficácia ou controle? O executivo tem cobrado o poder judiciário e juntos ambos os poderes tem prestado conta à população de suas ações demonstrando que Leis como o ECA e a Maria da Penha possuem legitimidade e efetividade?

Ou continuamos com legislações avançadas que não saem do papel, requerendo denúncia às cortes internacionais? A população precisa perceber um Estado menos ausente. Do contrário, avançará em direção a fazer justiça com as próprias mãos, continuando a eleger grupos sociais, dos quais são retirados a humanidade ( crianças, mulheres, população LGBT, criminosos) para serem alvo da projeção do medo, raiva, ódio e descrença forte e cotidianamente introjetados, plenamente estimulados e encorajados pelas instituições que pregam a intolerância, tão simpáticos à aprovação nas redes sociais.

Não estamos apenas regredindo, estamos, como seres humanos INVOLUINDO!

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Credibilidade é o nosso maior patrimônio

Nosso objetivo é fazer jornalismo com seriedade, produzindo conteúdo regional, sobre política, economia, sociedade e atualidade, na forma de opinião, editorial e criticas. Não usamos de artifícios como sensacionalismo, imagens apelativas, chocantes ou degradantes, tampouco textos, frases, ou palavras chulas para obter acessos.

Não somos o primeiro a divulgar a informação, mas somos quem apresenta o conteúdo checado, aprofundado e diferenciado. Aqui oferecemos aquele algo mais que ainda não foi dito, ou ainda não foi mostrado. Noticias qualquer um pode divulgam, mas com apuração e seriedade só aqui.

Comentários anônimos, ou que contenham, palavrões, pornografia, ataques pessoais, calúnias ou difamações não serão publicados.

Jornalista Abimael Costa

LG Contabilidade Pública

LG Contabilidade Pública

Clinica Santo André

Clinica Santo André