quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Audiência Pública discute eleição de conselheiros tutelares em São Luís






A eleição de conselheiros tutelares em São Luís, realizada no dia 04 de outubro, continua rendendo muita polemica e discussão, candidatos derrotados e grupos políticos que tiveram interesses contrariados continuam buscando meios de anular o processo de escolha na capital. 

Sobre o assunto é preciso esclarecer alguns pontos para não incorrer no risco de cometer injustiças contra pessoas que contribuíram de forma decisiva para a realização do processo de escolha. Vale ressaltar que a equipe do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente (CMDCA) foi eficiente e trabalhou de forma competente durante todo o processo, mesmo com recursos escassos, sem pessoal suficiente e sem apoio de instituições como: Tribunal Regional Eleitoral (TRE), Ordem doas Advogados do Brasil (OAB), e outras, a equipe não mediu esforços e trabalhou diuturnamente de forma aguerrida para que todo o processo transcorresse normalmente. 

O Ministério Público através do promotor de justiça Márcio Thadeu Marques, coordenador do Centro de Apoio Operacional da Infância e Juventude do MPMA, também teve participação decisiva para a regularidade do processo de escolha unificada.

Mesmo contra a vontade da equipe que trabalhou incansavelmente para o bom andamento do processo, aconteceram alguns problemas durante a eleição, alguns foram rapidamente identificados e denunciados através do MP que tomou medidas imediatas para coibir os excessos.

Mesmo com todos os cuidados, alguns problemas persistem, por conta disso, acontece nesta quinta-feira (15), uma Audiência Pública na Assembleia Legislativa, para discutir o processo, apontar falhas e cobrar soluções, a audiência será presidida pelo vice-presidente da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa, deputado Wellington do Curso (PPS).

"Atendendo a uma solicitação da população, realizaremos audiência pública a fim de discutir sobre o processo de escolha dos Conselheiros Tutelares. No dia 04, tivemos a eleição unificada que, em São Luís, foi responsabilidade da Prefeitura, através do CMDCA. No entanto, o que tivemos foi um cenário repleto de irregularidades, a exemplo de dois candidatos com o mesmo número de votação, da realização de boca de urna, dentre outros. A principal finalidade desta Audiência é ouvir os relatos dos cidadãos, em específico, dos candidatos, enfatizando-se a necessidade de se compilar provas que fundamentem a presente denúncia e, ante a fundamentação, anular o processo de escolha", afirmou o parlamentar em reconhecimento à função desempenhada pelos conselheiros tutelares.

Com início às 14 horas, a Audiência contará com a presença de representantes do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente (CMDCA); da Secretaria Municipal da Criança e Assistência Social; do Ministério Público Estadual; do Ministério Público Federal; da Defensoria Pública; do Tribunal Regional Eleitoral; da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Maranhão, dentre outros órgãos representativos.
       
Eleição de conselheiros tutelares no Maranhão foi fiscalizada pelo Ministério Público

O processo de escolha dos integrantes do Conselho Tutelar, realizado em todo o Brasil no 1º domingo de outubro (04), foi fiscalizado, no Maranhão, pelos membros do Ministério Público.

Os conselheiros tutelares eleitos (cinco titulares e cinco suplentes em cada área) serão empossados no dia 10 de janeiro e cumprirão mandato de quatro anos, conforme a Resolução 170/2014 do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda).

Em São Luís, dos 10 Conselhos Tutelares existentes, em dois as eleições foram anuladas, devido ao registro de uma série de irregularidades. Na Zona Rural e na área Centro/Alemanha, membros do Ministério Público, após denúncias de cidadãos e candidatos, verificaram nos próprios locais de votação os problemas.

Na Escola Comunitária Salim Braide, na Estiva, o promotor de justiça Arnoldo de Castro Ferreira ouviu de moradores que a votação não ocorreu devido à ausência de coordenadores, mesários e seguranças.

A promotora Emmanuella Souza de Barros Bello Peixoto constatou na área Centro/Alemanha que várias seções não foram localizadas, ou seja, não existiam fisicamente, impossibilitando eleitores de votar.

Ainda durante o pleito, o MPMA ingressou com uma Ação Cautelar contra o Município de São Luís, para que se abstivesse de apurar os votos das duas áreas. Esse pedido, porém, ficou prejudicado pois o CMDCA anulou as votações da Zona Rural e Centro/Alemanha atendendo Recomendações do MP. O Município, agora, deve designar nova data para realização das eleições nesses locais.

Além disso, foram encaminhadas recomendações ao Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA) para se abster de apurar os votos das duas áreas. Os pedidos foram aceitos, e os votos não foram apurados.

Nas outras oito áreas, os resultados da votação foram conhecidos na manhã desta segunda-feira. A apuração dos votos foi iniciada na noite de domingo e transcorreu por toda a madrugada.

COORDENAÇÃO DA ELEIÇÃO

Segundo a Resolução 170/2014, todo o processo de escolha dos membros do Conselho Tutelar é de responsabilidade do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, que é órgão integrante da administração pública local.

Ainda de acordo com a norma, sendo integrante da administração municipal, os Conselhos Tutelares devem ser custeados, desde a sua implantação, passando pela manutenção e até o processo de escolha e remuneração dos conselheiros, pelo Município, com a Lei Orçamentária devendo estabelecer dotação orçamentária para o cumprimento dessas atribuições.

No entanto, segundo o promotor de justiça Márcio Thadeu Marques, coordenador do Centro de Apoio Operacional da Infância e Juventude do MPMA, foi necessário o ajuizamento de uma ação na Justiça para que o Município de São Luís disponibilizasse estrutura de apoio para garantia da lisura e segurança da votação.

Na noite do sábado, o desembargador de plantão Marcelino Ewerton deferiu liminar para determinar que o Município de São Luis, assegurasse, por meio de seus órgãos de fiscalização (Blitz Urbana, Guarda Municipal, SMTT), "equipes suficientes para fiscalizar os locais de votação, bem como a apuração, garantindo, assim, a ordem dos trabalhos/pleito".

AVALIAÇÃO

Quanto ao processo eleitoral em todo o Estado, o promotor de justiça da Infância e Juventude considerou decisiva a participação de membros e servidores do Ministério Público Estadual, para conferir transparência e tranquilidade. "Devido à dedicação e competência de todos, conseguimos contribuir de forma eficiente com esse processo, que foi bastante complexo", avaliou.

Somente na capital participaram dos trabalhos de fiscalização oito promotores de justiça e seis servidores do MPMA, além de motoristas e policiais à disposição da instituição.



Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Credibilidade é o nosso maior patrimônio

Nosso objetivo é fazer jornalismo com seriedade, produzindo conteúdo regional, sobre política, economia, sociedade e atualidade, na forma de opinião, editorial e criticas. Não usamos de artifícios como sensacionalismo, imagens apelativas, chocantes ou degradantes, tampouco textos, frases, ou palavras chulas para obter acessos.

Não somos o primeiro a divulgar a informação, mas somos quem apresenta o conteúdo checado, aprofundado e diferenciado. Aqui oferecemos aquele algo mais que ainda não foi dito, ou ainda não foi mostrado. Noticias qualquer um pode divulgam, mas com apuração e seriedade só aqui.

Comentários anônimos, ou que contenham, palavrões, pornografia, ataques pessoais, calúnias ou difamações não serão publicados.

Jornalista Abimael Costa

LG Contabilidade Pública

LG Contabilidade Pública

Clinica Santo André

Clinica Santo André