domingo, 27 de dezembro de 2015

São Luís já contabiliza 1.000 mortes violentas intencionais em 2015





Se o cidadão maranhense levar em conta o que diz a propaganda oficial do governo do Estado, paga com impostos recolhidos do bolso deste mesmo cidadão, vai ter a falsa impressão de que vivemos no paraíso, todos os problemas sumiram, a violência foi eliminada, a criminalidade está contida e a paz reina no Maranhão.  

Enquanto os jornais Pequeno, e O Imparcial, blogues, portais de noticiais, emissoras de radio e de televisão alinhados ao governo do Estado do Maranhão reproduzem releases da SECOM, estampam nas capas longas entrevistas ditas "EXCLUSIVAS" com o governador do Estado e secretários de Estado, a Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH), denuncia o terrível número de 1.000 mortes violentas intencionais na Grande São luís no ano de 2015. 
“A juventude negra tem sido a maior vítima da violência letal. Isso demonstra que o poder público não cumpre a política de prevenção dessa forma de violação de direitos, como determina o Estatuto da Igualdade Racial."
Promotor de Justiça da Infância e da Juventude de São Luís, Márcio Thadeu Silva Marques



“Basta! Violência se enfrenta com indignação, com reconhecimento de direitos, com distribuição de renda, com escola, com cidadania. Precisamos assumir a dor da nossa cidade, e tirá-la desse caos de sangue e horror em que a transformaram!”. Joisiane Gamba, representante da SMDH

A Grande São Luís (região composta pela capital maranhense e os municípios de São José de Ribamar, Paço do Lumiar e Raposa) já contabiliza, somente no ano de 2015, o terrível número de 1.000 mortes violentas intencionais.

A informação consta no relatório sobre a violência na região, produzido pela Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH), a partir do monitoramento dos veículos de comunicação e dos dados da Secretaria de Segurança Pública do Estado.

“Diante deste quadro dramático, e levando em consideração que a maioria das ocorrências aconteceu em bairros da periferia, tendo como alvo a população pobre, considero serem fundamentais mudanças estruturais urgentes, que alterem o quadro de desigualdades”, avalia Joisiane Gamba, membro do conselho diretor da SMDH.

A advogada destaca, ainda, que este número representa quase três vítimas fatais de crimes violentos por dia na região metropolitana. A maior parte destas ocorrências – mais de 77% – são homicídios dolosos. Também são contabilizados casos de latrocínio, lesão corporal seguida de morte, homicídios decorrentes de intervenção policial, dentre outras situações.

“Destas mortes, 20,8% são pessoas entre 10 a 19 anos, e estes são dados apenas da Grande São Luís. Todos nós estamos chamados a intervir, a nos indignarmos, a trocarmos a tranquilidade dos condomínios fechados, a deixarmos de nos proteger atrás dos muros, [apenas] vendo nossa cidade se deteriorar, a nossa juventude ser morta e a população jovem e negra ser exterminada”, conclama a defensora de direitos humanos.

“O governo precisa deixar de gastar mais em aparato repressivo do que em educação, saúde, lazer, moradia e trabalho. Os agentes de segurança e justiça têm que parar de tratar o pobre como inimigo de estado, humilhando nossas crianças e adolescentes, afastando-as cada vez mais das políticas públicas, e lhes apontando como alternativas o cárcere ou o cemitério”, critica.

Para o promotor de Justiça da Infância e da Juventude de São Luís, Márcio Thadeu Silva Marques, os dados demonstram que o poder público descumpre a lei que institui o Estatuto da Igualdade Racial:

“A juventude negra tem sido a maior vítima da violência letal. Isso demonstra que o poder público não cumpre a política de prevenção dessa forma de violação de direitos, como determina o Estatuto da Igualdade Racial. Para que [esta situação] não se torne um etnocídio, é preciso garantir a segurança cidadã, a viabilização de programas estaduais de proteção e o enfrentamento das questões criminógenas estruturantes. Fiscalizar os sistemas de Segurança e de Justiça em favor da dignidade humana, e não como mecanismo de dominação social, é o desafio da cidadania”, aponta o promotor.

O depoimento do pastor Ozéas de Araújo Ewerton Júnior, da Igreja Batista do Monte Castelo, reflete a perplexidade com que a população vê a escalada da violência na ilha de São Luís: “A nossa sociedade vivencia um grande paradoxo, mesmo com todos os avanços econômicos, científicos e tecnológicos alcançados não se conseguiu dirimir significativamente os dilemas e problemas sociais. [A violência] já se tornou comum e banalizada. Não indigna, nem causa espanto. As estatísticas são aterrorizadoras. […] Todos, sociedade e governo, somos responsáveis em alguma medida por essa realidade cruel. Não é hora de acusarmos, é tempo de nos juntarmos, caso contrário o ódio, a dor, a desesperança e a morte continuarão dizimando vidas e famílias de nossa querida Ilha”.

Joisiane Gamba, representante da SMDH, sintetiza: “Basta! Violência se enfrenta com indignação, com reconhecimento de direitos, com distribuição de renda, com escola, com cidadania. Precisamos assumir a dor da nossa cidade, e tirá-la desse caos de sangue e horror em que a transformaram!”.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Credibilidade é o nosso maior patrimônio

Nosso objetivo é fazer jornalismo com seriedade, produzindo conteúdo regional, sobre política, economia, sociedade e atualidade, na forma de opinião, editorial e criticas. Não usamos de artifícios como sensacionalismo, imagens apelativas, chocantes ou degradantes, tampouco textos, frases, ou palavras chulas para obter acessos.

Não somos o primeiro a divulgar a informação, mas somos quem apresenta o conteúdo checado, aprofundado e diferenciado. Aqui oferecemos aquele algo mais que ainda não foi dito, ou ainda não foi mostrado. Noticias qualquer um pode divulgam, mas com apuração e seriedade só aqui.

Comentários anônimos, ou que contenham, palavrões, pornografia, ataques pessoais, calúnias ou difamações não serão publicados.

Jornalista Abimael Costa

LG Contabilidade Pública

LG Contabilidade Pública

Clinica Santo André

Clinica Santo André