quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Em carta aberta entidades conclamam governo a se manter firme no combate a grupos criminosos



- Entidades de Direitos Humanos reafirmam que detentos continuam sendo vitimas de maus tratos, agressão, tortura física e psicológica -


A Pastoral Carcerária – Regional Maranhão, a Sociedade Maranhense de Direitos Humanos – SMDH e a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – Nordeste 5 divulgaram, nesta quarta-feira (05), uma carta aberta sobre a crise de segurança evidenciada nos últimos dias no estado do Maranhão.


Carta aberta sobre a crise de segurança no Maranhão 

‘Lembrai-vos dos encarcerados, como se vós mesmos estivésseis presos com eles. E dos maltratados, como se habitásseis no mesmo corpo com eles.’(Carta aos Hebreus 13,3) 

As entidades abaixo-assinadas vêm a público repudiar veementemente as ações brutais de incêndio a vários ônibus e outras ameaças de ataques a logradouros públicos que vêm semeando o pavor na nossa cidade. Nós cidadãos e cidadãs desta cidade já presenciamos essas mesmas cenas em tempos muito recentes. Imaginávamos que nunca mais iríamos experimentar o medo de nos deslocar num transporte público. 

O crime organizado dá breves tréguas, muda provisoriamente de lugar, mas ele volta com força e agressividade renovadas. Se é verdade que o seu combate não depende somente de um governo estadual, pois o crime organizado tem ramificações extensas e sempre mais articuladas, é também verdade que os poderes públicos locais pouco tem avançado para garantir o pleno direito da população de ir e vir em segurança. 

Entristece-nos tomar conhecimento que as ordens para desfechar esses ataques à paz dos cidadãos partam, mais uma vez,- segundo noticiado pelo próprio governo estadual, - do interior de uma penitenciária. 

Perguntamo-nos: quais as medidas que foram efetivamente tomadas ao longo desses anos pelas diferentes esferas públicas para identificar e neutralizar os comandantes de tais ações? Em que o sistema de inteligência e a presença intensiva e legal do estado avançaram de forma significativa? Ficamos perplexos ao perceber que estamos revivendo o mesmo e trágico filme.

Informações fidedignas dão conta de que, mais uma vez, as ordens de atacar infraestruturas públicas com todas as possíveis e nocivas conseqüências seriam uma forma, embora diabólica e condenável, de grupos de detentos chamarem a atenção pública sobre o descaso que estaria ocorrendo no nosso sistema prisional. Não há, objetivamente falando, como negar que os presos continuam sofrendo nas nossas penitenciárias estaduais abusos de todo tipo.

Mesmo sem desconhecer a complexidade de uma administração prisional não há como justificar a utilização constante por parte do aparato de segurança de maus tratos, agressão, tortura física e psicológica contra os detentos. Sabemos que lá onde o poder público não chega, se omite ou nega direitos básicos, outras forças avançam e ocupam o vácuo deixado. É aqui que o crime organizado prolifera. 

Fazemos apelo à população em geral para que a sua compreensível indignação e revolta não seja estendida de forma agressiva e generalizada contra todos os presos, principalmente contra aqueles cidadãos que erraram na vida, mas que não vêm aderindo às formas violentas de reivindicar, e que expiam suas penas no silêncio e na solidão da sua cela. 

Fazemos apelo também aos governos estadual e federal para que mantenham firmeza em não aceitar ser reféns de grupos criminosos, mas que, ao mesmo tempo, estejam abertos em acolher as justas reivindicações, e respeitar os direitos de todos os encarcerados, sem utilização da violência gratuita e punitiva. 

Nesse sentido enfatizamos a necessidade de abertura de negociações para as quais nos dispomos a colaborar, visando a garantia de direitos básicos dos detentos, de modo a superar a atual crise e assegurar ao conjunto dos cidadãos a paz pública. 

São Luis, 05 de outubro de 2016. 


Pastoral Carcerária – Regional Maranhão 

Sociedade Maranhense de Direitos Humanos – SMDH 

Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – Nordeste 5




Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Credibilidade é o nosso maior patrimônio

Nosso objetivo é fazer jornalismo com seriedade, produzindo conteúdo regional, sobre política, economia, sociedade e atualidade, na forma de opinião, editorial e criticas. Não usamos de artifícios como sensacionalismo, imagens apelativas, chocantes ou degradantes, tampouco textos, frases, ou palavras chulas para obter acessos.

Não somos o primeiro a divulgar a informação, mas somos quem apresenta o conteúdo checado, aprofundado e diferenciado. Aqui oferecemos aquele algo mais que ainda não foi dito, ou ainda não foi mostrado. Noticias qualquer um pode divulgam, mas com apuração e seriedade só aqui.

Comentários anônimos, ou que contenham, palavrões, pornografia, ataques pessoais, calúnias ou difamações não serão publicados.

Jornalista Abimael Costa

Clinica Santo André

Clinica Santo André