segunda-feira, 7 de agosto de 2017

A violação dos direitos dos adolescentes no Maranhão



A falta de novas unidades de internação provisória e definitiva para jovens infratores no Maranhão é uma grave ameça ao cumprimento do que determina o Estatuto da Criança e do Adolescente no que diz respeito a garantia da integridade física e psicológica dos jovens que precisam cumprir medidas medidas socioeducativas.      

Com o aumento do número de adolescentes em conflito com a lei, cresce o déficit de vagas para internação em todo o Maranhão. Seria natural que diante desta grave situação o governo do Estado investisse na construção de novas unidades em diversos municípios do Maranhão, mas conforme o Ministério Público do Maranhão constatou não é bem isso que acontece.

Durante inspeção realizada na ultima sexta-feira (4),  pelo titular da 7ª Promotoria de Justiça em Defesa da Infância e da Adolescência de Imperatriz, Alenilton Santos, a um prédio em construção desde 2014, no município de Davinópolis, onde deveria funcionar um Centro de Internação Provisória e Definitiva para jovens infratores, constatou-se que o prédio que deveria atender à necessidade de internação de adolescentes em conflito com a lei residentes nos municípios do sul do estado está com as obras paralisadas.

Além disso, o que já está construído vem sendo destruído e depredado. As instalações apresentam várias rachaduras, infiltrações por conta da água das chuvas, problemas ocasionados pela falta de acabamento da obra. O encanamento e fiação elétrica já instalados foram furtados.  A vistoria contou com um técnico em edificações do MPMA e um representante da empresa. 

De posse do relatório, o Ministério Público expedirá outra petição à Justiça, solicitando, mais uma vez, a análise do caso. Além disso, o promotor remeterá cópia do processo à Promotoria de Justiça em Defesa da Probidade Administrativa de Imperatriz, para que sejam tomadas as medidas cabíveis.

“A Justiça, o Governo do Estado e a Funac devem adotar as providências necessárias para garantir a internação destes jovens e evitar que a deterioração e a dilapidação do patrimônio público se intensifiquem ainda mais”, observou Alenilton Santos.

O promotor  ressaltou que a fiscalização da obra é fruto da preocupação do MPMA em relação à oferta de vagas para a internação de adolescentes em conflito com a lei, oferecendo estrutura adequada, evitando superlotação e possíveis motins.
A obra, que deveria ter sido entregue em 2014, teve vários adiamentos no prazo de conclusão, até a divulgação do último prazo para a entrega, agosto de 2015, quando o MPMA instaurou um inquérito civil para apurar o caso. Depois disso, o Governo do Estado declarou a anulação do contrato, paralisando os trabalhos.

Em fevereiro deste ano, o MPMA e o Governo do Estado assinaram um acordo pelo qual a administração estadual se comprometeu a entregar a obra concluída no prazo de seis meses. No entanto, o prazo já se esgotou e as obras sequer foram retomadas.

Segundo a empresa, a parte da obra já concluída atingiu o valor de R$ 7 milhões, das quais o o governo teria pago apenas R$ 3,5 milhões. O orçamento total do projeto atualmente está em R$ 21 milhõe

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Credibilidade é o nosso maior patrimônio

Nosso objetivo é fazer jornalismo com seriedade, produzindo conteúdo regional, sobre política, economia, sociedade e atualidade, na forma de opinião, editorial e criticas. Não usamos de artifícios como sensacionalismo, imagens apelativas, chocantes ou degradantes, tampouco textos, frases, ou palavras chulas para obter acessos.

Não somos o primeiro a divulgar a informação, mas somos quem apresenta o conteúdo checado, aprofundado e diferenciado. Aqui oferecemos aquele algo mais que ainda não foi dito, ou ainda não foi mostrado. Noticias qualquer um pode divulgam, mas com apuração e seriedade só aqui.

Comentários anônimos, ou que contenham, palavrões, pornografia, ataques pessoais, calúnias ou difamações não serão publicados.

Jornalista Abimael Costa

LG Contabilidade Pública

LG Contabilidade Pública

Clinica Santo André

Clinica Santo André