domingo, 2 de fevereiro de 2014

Morre o compositor maranhense Nonato Buzar


Morreu neste domingo (02), aos 81 anos vítima de problemas respiratórios o compositor maranhense Nonato Buzar, conhecido por canções como “Verão Vermelho”, tema de abertura da novela homônima da TV Globo de 1970, e também de “Irmãos Coragem”.

Nonato Buzar teve suas composições interpretada por Maysa, Adriana, Elis Regina, Alcione, Elizeth Cardoso, João Nogueira, Nana Caymmi, Rosinha de Valença, Luiz Gonzaga, Cauby Peixoto, MPB-4, Jair Rodrigues, Wilson Simonal, Sílvio César, Nélson Gonçalves, Ivan Lins e Milton Nascimento, entre outros.

Em nota divulgada agora há pouco, a governadora Roseana Sarney lamentou a morte do compositor maranhense.

NOTA - PESAR

A governadora Roseana Sarney lamentou a morte do compositor maranhense Nonato Buzar, 81 anos, ocorrida neste domingo (2), no Rio de Janeiro, vítima de falência múltipla dos órgãos.

Roseana Sarney lembrou que Nonato Buzar deixa um grande legado para a música brasileira, onde se destacou pelo seu talento, sendo referência para grandes cantores que interpretaram suas composições, como Elis Regina, Nana Caymmi, Milton Nascimento, Alcione, entre outros.

“Venho me solidarizar com a família e amigos do nosso querido Nonato Buzar nesse momento de dor e de grande perda para a música popular brasileira”, declarou Roseana Sarney.

QUEM FOI NONATO BUZAR ????

Nonato Buzar é o ilustre autor de “Verão Vermelho”, tema de abertura da novela homônima da TV Globo de 1970, e também de “Irmãos Coragem”, folhetim televisivo levado ao ar logo em seguida, no mesmo ano, que inspiraria a ocupação do bairro Coroado, na periferia de São Luís. A novela de Janet Clair ganharia um remaker de Dias Gomes em 1995.

Raimundo Nonato Buzar nasceu em Itapecuru Mirim (MA), no dia 26 de agosto de 1932. Após ouvir as músicas de Paulinho vitola e prometer produzir o seu primeiro lp. Nonato Buzar" aconselhou ao autor de "Cidade Sem Portas".

 - "Tuas musicas são lindas, Tem muita harmonia. Mas se você quiser o sucesso, fale sempre em amor. Fale de amor que você sempre será ouvido". Talvez poucos compositores populares tenham tanta sensibilidade para conquistar o publico como Nonato Buzar. Basta relacionar alguns de seus sucessos - "Irmãos Coragem", "Verão Vermelho", "O Homem Que Deve Morrer", "Assim Na Terra Como No Céu", "Lá Vem Ela", "O Carango", "Menininho do Portão", "Vesti Azul"- para assentir que este maranhense bem numerado sabe exatamente a receita para agradar ao público.

Descendentes de libaneses, Nonato iniciou sua carreira em 1953,

transferiu-se para o Rio de Janeiro, para estudar Engenharia. Aprovado no vestibular, desistiu do curso e dedicou-se à música participando de shows nas casas noturnas Little Club e no Bottle's, no Beco das Garrafas (RJ).

Teve composições gravadas por Maysa, Adriana, Elis Regina, Alcione, Elizeth Cardoso, João Nogueira, Nana Caymmi, Rosinha de Valença, Luiz Gonzaga, Cauby Peixoto, MPB-4, Jair Rodrigues, Wilson Simonal, Sílvio César, Nélson Gonçalves, Ivan Lins e Milton Nascimento, entre outros.

Sua primeira apresentação em televisão foi no programa de Córis Luna Freire, levado ao ar pela TV Continental.

O primeiro registro de uma composição de sua autoria foi a gravação de "Guerra à bossa", por Paulo Silvino.

Em 1965, escreveu a contracapa do disco "400 anos de samba", de Elizeth Cardoso, lançado pela Copacabana Discos em homenagem ao IV Centenário da Cidade do Rio de Janeiro.

Idealizou, produziu e fez parte da do conjunto A Turma da Pilantragem, com o qual atuou em 1968 e 1969.

Como produtor musical, trabalhou nas gravadoras PolyGram (de 1969 a 1971) e RCA Victor. Nessa função, foi responsável por discos de Jair Rodrigues, Regininha, Sílvio César, Banda do Canecão, A Turma da Pilantragem, Jimmy Cliff, Festival Internacional da Canção e Wilson Simonal, entre outros.


Participou de edições do Festival da Música Popular Brasileira (TV Record), do Festival Internacional da Canção (TV Globo) e do Festival da TV Tupi.

Nos anos 1970, atuou em campanhas publicitárias, como um dos sócios da produtora Aquarius. Compôs, com Marcos e Paulo SérgioValle, Dori Caymmi e Nélson Motta, o jingle do guaraná Brahma veiculado nessa época, entre outros.

Compôs músicas para trilhas sonoras de novelas da TV Globo, com destaque para "Irmãos Coragem" (c/ Paulinho Tapajós), tema de abertura da novela homônima, "Assim na terra como no céu" (c/ Roberto Menescal e Paulinho Tapajós), da novela homônima, "Verão vermelho", tema de abertura da novela homônima, e "O homem que deve morrer" (c/ Torquato Neto), tema de abertura da novela homônima, além de outras canções para as novelas "O cafona", "Minha doce namorada" e "Anjo mau". Ainda para a TV Globo, trabalhou nas trilhas sonoras dos programas "Chico City", "Brasil pandeiro" e "Saudade não tem idade". Para o cinema, compôs músicas para "O donzelo", de Stefan Wolff, e "Aventuras de um detetive português", de Stefan Wolff e Raul Solnado.

Entre 1972 e 1976, morou na França, onde formou a banda Nonato Buzar e o País tropical, apresentando-se em shows e gravando o disco "Via Paris".

Teve músicas gravadas por Elis Regina, Alcione, Elizeth Cardoso, João Nogueira, Nana Caymmi, Rosinha de Valença, Roberto Ribeiro, Luiz Gonzaga, Os Cariocas, Cauby Peixoto, MPB-4, Pedrinho Rodrigues, Jair Rodrigues, Wilson Simonal, Sílvio César, Nélson Gonçalves, Luís Eça, Ivan Lins e Milton Nascimento, entre outros artistas brasileiros, além de Jimmy Cliff, Fanya All Stars e o grupo Santana, no exterior.

Em 2003, sua canção "Menininha do portão" (c/ Paulinho Tapajós) fez parte do primeiro CD da cantora Maria Rita, que atingiu a vendagem de 350.000 cópias apenas dois meses após o lançamento.

Recentemente o cantor e compositor parafraseou os “Versos íntimos” de Augusto dos Anjos em noite melancólica no Teatro Arthur Azevedo. Aplaudido por não mais que vinte pares de mãos, o artista relutou em subir ao palco diante da imensa solidão. Até mesmo um dos convidados da noite planejada para ser “do amor, do sorriso e da flor” - como nos tempos da Bossa Nova -, o também cantor e compositor Gerude, declinou do convite do parceiro sem aviso prévio.

Em cerca de uma hora e meia o artista radicado no Rio de Janeiro desde a década de 1960 tentou engrandecer o universo musical maranhense, destacando cintilações individuais para uma platéia de amigos e conterrâneos. Para enfretar a pantera da solidão do palco e platéia Buzar contou com a colaboração dos cantores e compositores Nosly e Beto Pereira, que em meio a frases embargadas, entrecortadas aqui e ali por um “é triste”.

Aos poucos que lhe ouviram Buzar cantou a parceria com Ronaldo Bôscoli, uma das últimas obras produzidas pelo bossanovista, preconizando a morte do Rio São Francisco; uma canção feita para a praia do Olho D Água de outrora. Falou ainda de seus sonhos irrealizáveis e conformados, como o de reunir em uma coletânea a produção dos grandes compositores maranhenses, e, segundo Norsly, disparou o foda-se.

Nem mesmo a companheira Alcione, que havia anunciado uma participação especial, o prestigiou. Mais uma ingratidão íntima.

Ao sair do palco, Buzar deixou para traz um rastro de frustração e dor que chegou a contagiar a pequena plateia.

Para não deixá-lo cair no ostracismo, vale a pena pesquisar e ouvir os álbuns que seguem:



NONATO BUZAR (1970)
Faixas:
01 - Que Película (Nonato Buzar / Torquato Neto)
02 - Uma Ordem Sim Sinhô (Nonato Buzar / Antônio Carlos Marques)
03 - Assim na Terra Como no Céu (Nonato Buzar / Roberto Menescal / Paulinho Tapajós)
04 - Vitória Vitória (Nonato Buzar)
05 - Irmãos Coragem (Nonato Buzar / Paulinho Tapajós)
06 - Olho D'água (Nonato Buzar / Paulinho Tapajós)
07 - 100 Milhas (O Donzelo) (Nonato Buzar / Paulo Sergio Valle)
08 - Elementar Meu Caro Watson (Nonato Buzar / Paulinho Tapajós)
09 - Beira-mar (Nonato Buzar / Antônio Carlos Marques)
10 - Verão Vermelho (Nonato Buzar)
11 - A Feira (Nonato Buzar / Mônica Silveira)
12 - Quase Adeus (Nonato Buzar / Carlos Monteiro de Souza / Torquato Neto)


NONATO BUZAR E O PAÍS TROPICAL VIA PARIS (1975)

Faixas:
01 - Mon Ami João (Nonato Buzar / Durval Ferreira)
02 - Estou Triste Sim (Nonato Buzar)
03 - Sandrinha (Nonato Buzar)
04 - Tá Chegando a Hora (Nonato Buzar)
05 - Pelo Amor de Deus (Nonato Buzar / Paulinho Tapajós)
06 - Visita da Velha Cigana (Nonato Buzar)
07 - Tinha Que Acontecer (Nonato Buzar)
08 - Caioba (Nonato Buzar / Heitor Valente)
09 - Céu Vermelho (Nonato Buzar)
10 - Vale Sagrado (Nonato Buzar)
11 - Carinhosamente (Nonato Buzar)
12 - Le Premier Safari de Caroline de Mônaco (Nonato Buzar)

Download:





Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Credibilidade é o nosso maior patrimônio

Nosso objetivo é fazer jornalismo com seriedade, produzindo conteúdo regional, sobre política, economia, sociedade e atualidade, na forma de opinião, editorial e criticas. Não usamos de artifícios como sensacionalismo, imagens apelativas, chocantes ou degradantes, tampouco textos, frases, ou palavras chulas para obter acessos.

Não somos o primeiro a divulgar a informação, mas somos quem apresenta o conteúdo checado, aprofundado e diferenciado. Aqui oferecemos aquele algo mais que ainda não foi dito, ou ainda não foi mostrado. Noticias qualquer um pode divulgam, mas com apuração e seriedade só aqui.

Comentários anônimos, ou que contenham, palavrões, pornografia, ataques pessoais, calúnias ou difamações não serão publicados.

Jornalista Abimael Costa

LG Contabilidade Pública

LG Contabilidade Pública

Clinica Santo André

Clinica Santo André