terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Jornalismo sensacionalista dissemina dúvida, planta pânico e terror na população ludovicense




A Manchete sensacionalista do jornal Folha de S. Paulo desta terça-feira (07), 
" Presos filmam decapitados em penitenciária no Maranhão" mostra bem a que ponto chegou e para onde caminha parte da imprensa brasileira.

O jornalismo sensacionalista, marrom é partidário, continua fazendo escola no Brasil e no Maranhão. Este tipo de "jornalismo" vem reunindo novos e fervorosos adeptos que preferem usar e abusar da macabra receita em busca de resultado imediatos.

Jornalistas e Blogueiros de grandes médios e pequenos veículos de comunicação enveredam perigosamente pelo caminho mais fácil e cômodo de produzir informação. 

Sem checar a fonte, sem confirmar a veracidade dos fatos, sem dar voz ao contraditório, ou sem ouvir antes o outro lado, se aventuram em busca de acessos, em busca do famoso "FURO", o que importa é dar a noticia em primeira mão, é publicar a foto do corpo dilacerado, queimado ou decapitado, é publicar a informação de que ataques estão ocorrendo ou vão ocorrer em determinados locais, mesmo sem saber quem disse e como disse. 

Comentar sobre assuntos que não tem domínio e tampouco conhecimento básico, mesmo sem ouvir a autoridade competente, ele emite comentário acido e sarcástico sobre tal tema.

Este tipo de comportamento gera desgaste e descredito da categoria além de provocar uma generalização covarde e perigosa, onde todos são jogados na vala comum do oportunismo e do mercantilismo, o que é revoltante, afinal sabemos que existem boas, raras e louváveis exceções na imprensa maranhense.

Para confirmar o que escrevo, bastar abrir os jornais locais ou acessar alguns blogues e portais de noticias de nosso estado.

Ainda sobre o tema e para respaldar o que digo, publico abaixo artigo do portal Observatório da Imprensa:

                                        Jornalismo em crise

Criticar a imprensa, denunciando o jornalismo partidário, é na verdade uma demonstração de respeito ao jornalismo e à imprensa, como ela deveria ser.

Defender a imprensa como ela é e conformar-se com o jornalismo de quinta categoria que tem sido imposto aos brasileiros, de forma geral, é sintoma de alienação, ou, pior, recurso de malabarismo intelectual para preservar a reputação sem cair no index do sistema da mídia.

Louve-se: é preciso muito jogo de cintura para salvar a ficção da objetividade sem ter as portas fechadas pelas redações. No entanto, chegamos ao ponto em que não há subterfúgios, pois a escolha da imprensa hegemônica está destruindo o jornalismo de qualidade no Brasil.

Concretamente, o jornalismo brasileiro é pior, hoje, do que há vinte anos? A resposta é: sim, piorou não apenas a qualidade do jornalismo no Brasil, mas também a qualificação dos jornalistas, de modo geral, e a própria noção do valor social da atividade jornalística.

Uma pesquisa coordenada pela professora Roseli Fígaro na USP constatou essa realidade (ver resenha do livro aqui): o jornalismo brasileiro está imerso em profunda crise. Um artigo publicado na quinta-feira (2/1) pela Agência Fapesp (ver aqui) atualiza alguns aspectos desse estudo. O texto afirma explicitamente que “os produtos jornalísticos impressos, televisivos ou radiofônicos são feitos de maneira completamente diferente do que há cerca de vinte anos”.

A mudança foi para pior, segundo a pesquisa, provocada principalmente por uma reestruturação produtiva nas redações, com o aumento do número de jornalistas sem registro profissional e o afastamento dos profissionais mais experientes.

A desconstrução do jornalismo foi feita pedra por pedra, e não é apenas fenômeno causado pelas novas tecnologias de comunicação, mas por uma escolha estratégica das empresas. Trata-se de um processo que corre paralelo ao projeto conservador de poder, que, não podendo eventualmente ser realizado pelas vias partidárias, porque o eleitorado parece rejeitar suas propostas, passa a atuar pelo sistema da mídia.

Simples assim.


Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Credibilidade é o nosso maior patrimônio

Nosso objetivo é fazer jornalismo com seriedade, produzindo conteúdo regional, sobre política, economia, sociedade e atualidade, na forma de opinião, editorial e criticas. Não usamos de artifícios como sensacionalismo, imagens apelativas, chocantes ou degradantes, tampouco textos, frases, ou palavras chulas para obter acessos.

Não somos o primeiro a divulgar a informação, mas somos quem apresenta o conteúdo checado, aprofundado e diferenciado. Aqui oferecemos aquele algo mais que ainda não foi dito, ou ainda não foi mostrado. Noticias qualquer um pode divulgam, mas com apuração e seriedade só aqui.

Comentários anônimos, ou que contenham, palavrões, pornografia, ataques pessoais, calúnias ou difamações não serão publicados.

Jornalista Abimael Costa

LG Contabilidade Pública

LG Contabilidade Pública

Clinica Santo André

Clinica Santo André