sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

O Maranhão não é Pedrinhas


Atingidos pelo "complexo de vira-lata", parcela da imprensa maranhense atacam e desconstroem diariamente a imagem do estado do Maranhão e de seus cidadãos. No caso dos atentados ocorridos na sexta-feira (03), que resultou na morte da menina Ana Clara de apenas seis anos de idade, criou-se uma campanha de difamação contra o estado. 

De forma oportuna e fugindo do lugar e do senso comum, os dois jornais de maior circulação no Maranhão, O Estado e O Imparcial publicam editorial nesta sexta-feira (10), com o sugestivo tema "O MARANHÃO NÃO É PEDRINHAS".

Vale a pena ler os dois excelentes textos. Que os nossos confrades da imprensa reflitam, divulguem, apliquem e compartilhem o pensamento de forma clara  exposto nos dois editoriais.
"Complexo de vira-lata" é uma expressão criada pelo dramaturgo e escritor brasileiro Nelson Rodrigues, a qual originalmente se referia ao trauma sofrido pelos brasileiros em 1950, quando a Seleção Brasileira foi derrotada pela Seleção Uruguaia de Futebol na final da Copa do Mundo em pleno Maracanã. 

Para Rodrigues, o fenômeno não se limitava somente ao campo futebolístico. Segundo ele, "por 'complexo de vira-lata' entendo eu a inferioridade em que o brasileiro se coloca, voluntariamente, em face do resto do mundo".
Ainda segundo Rodrigues, "o brasileiro é um narciso às avessas, que cospe na própria imagem. Eis a verdade: não encontramos pretextos pessoais ou históricos para a auto-estima"

O Maranhão não é Pedrinhas

O Maranhão está no foco principal dos holofotes nacionais. Virou o assunto preferido das vestais da imprensa nacional, que, de repente, se voltaram para este pedaço do Nordeste, atraídas pelos problemas no Complexo Penitenciário de Pedrinhas. Nas suas análises, o Maranhão é Pedrinhas, é a ação brutal e insana de criminosos, que ocasionalmente se matam dentro do presídio e, por causa da reação dura à última chacina, tentaram intimidar o Sistema de Segurança. As vestais iluminadas da grande imprensa tentam passar para o Brasil e para o mundo a impressão de que isso é uma rotina, se esforçando para mostrar o Maranhão como uma exceção infernal comandada por um governo omisso.

O Maranhão não é isso, os maranhenses e os visitantes contumazes o sabem muito bem. O Maranhão de hoje é muito, muito mesmo, melhor do que esse Maranhão pintado pelos jornais Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e O Globo e pelos comentaristas da Rede Globo. É um estado imenso - 332 mil quilômetros quadrados e quase sete milhões de habitantes -, encravado na fronteira do Nordeste com a Amazônia e premiado por um litoral magnífico, nos quais estão os Lençóis, uma das maravilhas naturais do planeta. Uma história de fazer inveja e o legado de um conjunto da arquitetura colonial portuguesa sem igual no continente. É formado por um povo miscigenado, alegre e culturalmente forte e sólido.

O Maranhão de hoje é o Maranhão que luta de maneira efetiva e firme para superar a pobreza que ainda afeta alguns dos seus estratos sociais; que investe efetivamente para melhorar o seu padrão educacional e erradicar mazelas como o analfabetismo; que vem surpreendendo o Brasil com um programa de saúde que não tem similar no país; que investe o que pode em infraestrutura, principalmente em rodovias; que tem melhorado expressivamente o nível de emprego formal, que valoriza e tem investido também em segurança pública.

O Maranhão de agora, que não é propositalmente enxergado pelas vestais da grande imprensa, é o Maranhão que vem se firmando como polo de desenvolvimento econômico regional, atraído para seu território empreendimento industriais de peso. O mais ilustrativo dele é o complexo da Suzano para a produção de celulose, que já começa a produzir em Imperatriz. É o Maranhão cujas reservas gigantescas de gás natural já garantem o funcionamento de duas termelétricas. É o Maranhão cuja posição geográfica privilegiada vai lhe trazer, em breve, a Refinaria Premium I da Petrobras. É o Maranhão do ferro-gusa, das aciarias em implantação.

O Maranhão de hoje é o Maranhão que se consolida como portal de ligação com o resto do mundo pelo complexo portuário que reúne o excepcional Porto do Itaqui e o Terminal da Ponta da Madeira, por onde a Vale abastece o mundo de minério de ferro extraído de Carajás. É o Maranhão que hoje tem duas fronteiras (Balsas e Baixo Parnaíba) de importância vital para o agronegócio conhecida como Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia). Na próxima safra, o estado deverá produzir 3,7 milhões de toneladas de grãos. É o Maranhão que nos últimos quatro anos recebeu mais de 740 empresas atuando nas mais diversas áreas, muitas delas atraídas

É também, infelizmente, ainda, o Maranhão de Pedrinhas, de alguns bolsões de pobreza, de alguns indicadores ínfimos. Mas nenhuma dessas realidades está sendo ignoradas. E se os agressores se derem ao trabalho de investigar, encontrarão, sem maiores esforços, um estado pobre, sim, mas lutando arduamente, e já com alguns ganhos visíveis, para se tornar um estado economicamente forte e socialmente equilibrado
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Um comentário:

  1. Indicadores ínfimos? Ínfimos por serem os piores? Esta luta é realmente muito árdua Em quase 50 anos o país se desenvolveu e o Maranhão declinou. Não se trata de proselitismo, mas de dados incontestáveis. Ou será que o IBGE não é confiável?

    A grande imprensa não está contestando os maranhenses, mas o dirigentes deste estado e a sua forma de fazerem a politica do enriquicemento de apenas um grupo em detrimento da população.

    ResponderExcluir

Credibilidade é o nosso maior patrimônio

Nosso objetivo é fazer jornalismo com seriedade, produzindo conteúdo regional, sobre política, economia, sociedade e atualidade, na forma de opinião, editorial e criticas. Não usamos de artifícios como sensacionalismo, imagens apelativas, chocantes ou degradantes, tampouco textos, frases, ou palavras chulas para obter acessos.

Não somos o primeiro a divulgar a informação, mas somos quem apresenta o conteúdo checado, aprofundado e diferenciado. Aqui oferecemos aquele algo mais que ainda não foi dito, ou ainda não foi mostrado. Noticias qualquer um pode divulgam, mas com apuração e seriedade só aqui.

Comentários anônimos, ou que contenham, palavrões, pornografia, ataques pessoais, calúnias ou difamações não serão publicados.

Jornalista Abimael Costa

LG Contabilidade Pública

LG Contabilidade Pública

Clinica Santo André

Clinica Santo André