segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Zé Doca: madeireiros atacam guardas ambientais Ka’apor na Terra Indígena Alto Turiaçu


Foto de Lunaé Parracho /Reuters.
Dois guardas ambientais Ka’apor são feridos por invasores e e quatro estão desaparecidos na Terra Indígena Alto Turiaçu

Mesmo com a floresta em chamas, invasores continuam cortando madeira na Terra Indígena Alto Turiaçu. Uma equipe de 26 guardas ambientais Ka’apor, com o apoio de uma equipe do Prevfogo vinda do Ceará, estão na mata combatendo os incêndios na floresta. A chuva que caiu na região nos últimos dias ajudou a apagar muitos focos, mas em alguns locais a ação dos guardas ainda se faz necessária.

Neste domingo, 20/12, a equipe de guardas Ka’apor flagrou invasores que vieram do povoado de Nova Conquista, município de Zé Doca, cortando madeira dentro da terra indígena, próximo a aldeia Turizinho. Esses invasores fazem parte de um contingente maior que já foi expulso do território dos Awá-Guajá em ação do Ibama junto com a Polícia Federal.

Imediatamente, a equipe de guardas apreendeu os equipamentos e prendeu os invasores, mas um conseguiu escapar e reuniu outros 30 homens armados, que retornaram ao local e atacaram o grupo de Ka’apor, que se dispersaram.

Dois indígenas feridos foram levados para a aldeia e lá se encontram escondidos, com medo de irem à cidade, pois a imprensa local tem divulgado falsas informações, acusando os Ka’apor pelo conflito. Outros quatro indígenas estão desaparecidos.

Texto de *Luiz Cláudio Brito Teixeira, em Combate Racismo Ambiental


*Luiz Cláudio Brito Teixeira é professor de História do projeto de educação Ka’a namõ jumu’e ha katu – Aprendendo com a Floresta, do povo Ka’apor.

Destaque: Os guerreiros Ka’apor imobilizam invasores durante a operação realizada em 7 de agosto de 2014. Foto de Lunaé Parracho /Reuters.

*
Em tempo:

Segundo informação recebida e encaminhada por Henyo Barretto, “a entrada da aldeia está fechada, há 2 caminhões e 2 tratores dentro da área, e a Funai local está buscando apoio para resgatar os baleados, encontrar os desaparecidos e apreender o maquinário. A rádio e a TV em Zé Doca estão dizendo que os indígenas estão fazendo brancos reféns, o que é mentira!” (recebido por WhatsApp de um servidor da Funai local).
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Credibilidade é o nosso maior patrimônio

Nosso objetivo é fazer jornalismo com seriedade, produzindo conteúdo regional, sobre política, economia, sociedade e atualidade, na forma de opinião, editorial e criticas. Não usamos de artifícios como sensacionalismo, imagens apelativas, chocantes ou degradantes, tampouco textos, frases, ou palavras chulas para obter acessos.

Não somos o primeiro a divulgar a informação, mas somos quem apresenta o conteúdo checado, aprofundado e diferenciado. Aqui oferecemos aquele algo mais que ainda não foi dito, ou ainda não foi mostrado. Noticias qualquer um pode divulgam, mas com apuração e seriedade só aqui.

Comentários anônimos, ou que contenham, palavrões, pornografia, ataques pessoais, calúnias ou difamações não serão publicados.

Jornalista Abimael Costa

LG Contabilidade Pública

LG Contabilidade Pública

Clinica Santo André

Clinica Santo André