INSCREVA-SE JÁ

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Antônio Pereira mobiliza governo para abrir a UPA do São José, em Imperatriz



O deputado Antônio Pereira (DEM) protocolou indicação na Assembléia - já encaminhada ao governador Flávio Dino e ao secretário da Saúde, Marcos Pacheco - pedindo convênio para possibilitar a abertura da UPA do Parque São José, em Imperatriz. 

Na indicação, Antônio Pereira pede que Dino e Pacheco determinem convênio com a Prefeitura de Imperatriz, objetivando o funcionamento da UPA, projetada para atender 20 mil pessoas da segunda maior e mais importante cidade do Maranhão. 

O democrata informou que a UPA foi construída pela Prefeitura de Imperatriz e está fechada, porque o Governo Municipal não tem condições financeiras para custear os serviços médicos de urgência e emergência, que serão realizados pela unidade de saúde.

VINTE MIL ATENDIMENTOS

A UPA do Parque São José foi projetada para atender cerca de 20 mil pessoas dos bairros Ouro Verde, Vila Macedo, Planalto, Parque São José, Bonsucesso, Santa Rita, de comunidades do Complexo Santa Rita e até de outros municípios da Região Tocantina. 

Para Antônio Pereira, uma vez concluída e aparelhada, a UPA do Parque São José desafogará a demanda de pacientes na UPA da Avenida Bernardo Sayão e no Hospital Municipal de Imperatriz (HMI), o “Socorrão”, que mensalmente atendem cerca de 30 mil pessoas. 

Antônio Pereira destacou o empenho do vereador de Imperatriz, Esmerahdson de Pinho (PSDB), que na Câmara Municipal também luta para garantir o perfeito funcionamento da UPA do Parque São José, e melhorar a qualidade de vida da população de Imperatriz.

Assecom/Antônio Pereira 

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Antônio Pereira defende criação do Departamento Jurídico da PM




O deputado Antônio Pereira (DEM) protocolou indicação na Assembleia, pedindo que o governador Flávio Dino (P C do B) encaminhe projeto de lei ao Legislativo, criando o Departamento Jurídico da Polícia Militar do Estado do Maranhão, para atender todos os policiais envolvidos em processos administrativos e/ou jurídicos, decorrentes do exercício de suas atividades a serviço do sistema de segurança pública.

Na indicação - que será avaliada pelo governador Flávio Dino, que demonstra uma atenção especial com a Polícia Militar e com a segurança - o deputado Antônio Pereira reconhece que o elevado índice de criminalidade no Estado do Maranhão vem colocando em risco a vida dos policiais militares, principalmente durante as operações no combate as atividades dos marginais.

Antônio Pereira soube - por meio de dados divulgados pela Secretaria de Estado de Segurança Pública e pela própria imprensa - que geralmente acontecem casos envolvendo policiais militares pelos excessos cometidos no cumprimento do dever. “Mas, é importante que seja concedido a esse policial o direito de defesa por meio de setor jurídico competente”, afirmou. 

Assecom/Antônio Pereira

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Grande São Luis vive situação de extrema violência e descontrole






















O Centro de Apoio Operacional do Controle Externo da Atividade Policial (CAOp-Ceap) divulgou nesta segunda-feira, 12, relatório sobre a violência nos municípios de São Luís, Raposa, Paço do Lumiar e São José de Ribamar, referente ao ano de 2014. Os dados englobam os Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI) e o déficit no quadro das policiais Civil e Militar.

A aferição das mortes por CVLI segue a metodologia indicada pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), contabilizando óbitos por armas de fogo, armas brancas, instrumentos de ação contundente ou cortante, esgorjamento, estrangulamento, espancamento e agressão física. Em 2014, foram registradas 1.227 mortes violentas com essas características. Os números superam em 24,7% a soma dos 984 registros de 2013.

Na avaliação do promotor de justiça José Cláudio Cabral, coordenador do CAOp-Cead, os índices revelam uma situação de extrema violência e descontrole. A Organização das Nações Unidas considera aceitável dez assassinatos para cada 100 mil pessoas por ano. "Na ilha de São Luís, esse índice é 876,4% acima da margem suportável. A violência tornou-se uma endemia", destaca o membro do Ministério Público do Maranhão (MPMA).

Os índices alarmantes foram obtidos pelo acompanhamento mensal dos registros do Instituto Médico Legal (IML) e Secretaria de Estado de Segurança Pública. Não foram computados os dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade do Ministério da Saúde, que elevariam os índices de violência.

FALHAS

Ao realizar inspeções técnicas nos distritos e delegacias especializadas de São Luís, Raposa, Paço do Lumiar e São José de Ribamar, o MPMA constatou que, em 2014, 289 inquéritos sobre mortes violentas não foram concluídos para serem encaminhados ao Poder Judiciário.

Outro dado que contribui para o aumento da violência é o número insuficiente de policiais militares. A recomendação da ONU é que haja um policial para cada 300 habitantes. No Maranhão, existe um policial para cada 822 pessoas. O ideal é que houvesse 22.836 policiais militares na ativa, para atingir esse número deveriam ser nomeados mais 14.499 profissionais.

De acordo com Cláudio Cabral, o agravamento da violência é resultado pela ausência de um Plano Estadual de Segurança e de políticas públicas para prevenir a criminalidade. Outro agravante é a falta de compartilhamento de informações e ações conjuntas entre as instituições do sistema de segurança pública, além da Justiça, Ministério Público, Secretaria de Segurança Pública, Defensoria Pública Estadual, órgãos de perícia e uma central de inteligência com ramificações em todo o Maranhão.

Veja AQUI o gráfico do número de mortes ocorridas, na grande São Luís, do ano de 2010 até 2014, conforme dados do IML. Conheça AQUI o gráfico dos inquéritos policiais inconclusos desde 2010.


Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH) lança revista Catirina – Dossiê: Violência no Maranhão







Com versão eletrônica lançada na quarta-feira, 10 de dezembro do ano passado, no auditório do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias dos Estados do Maranhão, Pará e Tocantins (Stefem), durante ato realizado em parceria com a Anistia Internacional em celebração ao aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos, a revista Catirina – Dossiê: Violência no Maranhão, traz uma serie de artigos, gráficos e tabelas retratando a violência no Maranhão e em São Luis. A publicação da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH), já está disponível para download.

A revista Catirina está à venda na sede da SMDH (Rua das Mangueiras, quadra 36, casa 7, Jardim Renascença I, São Luís/MA) por apenas R$ 15,00. A versão online está disponível para download no site da entidade:www.smdhvida.wordpress.com

Artigos:

1. Pedrinhas $.A.: a violência do negócio e o negócio da violência
– Wagner Cabral da Costa

2. Mortes violentas na Grande São Luís no ano de 2013
– Graziela Nunes; Adinalva Nascimento; Cristian Gamba; Joisiane Gamba; Jonata Galvão; Yuri Morais

3. O fracasso do encarceramento como medida de contenção da violência no Brasil
– Douglas de Melo Martins

4. A cerca dá fome. Espoliação, violência e resistência camponesa no Estado do Maranhão no século XXI
– Diogo Ribeiro Cabral

5. A guerra civil não declarada: o extermínio da juventude negra
– Igor Martins Coelho Almeida

6. Instituições estatais e violência no campo: análise das indefinições na garantia à reforma agrária e do “caso Zé Nedina”
– Ruan Didier Bruzaca & Maria Inês Silva Cardoso

7. Complexo Penitenciário de Pedrinhas: do seletivismo penal ao cadafalso
– Luís Antônio Câmara Pedrosa



domingo, 11 de janeiro de 2015

Os ABUTRES e a realidade dos fatos








Grave acidente na BR-222, entre Entroncamento e Itapecuru-Mirim, na tarde de sábado (10), envolvendo dois automóveis, resultou na morte de três (03) pessoas, um dos veículos incendiou e uma das vitimas morreu carbonizada.

Os mortos foram identificados como sendo: 

Igor Siqueira, Gerente da Pague Menos em Chapadinha;

Janaína Celma Silva Miranda, de 38 anos, esposa do supervisor da Loja Landry Móveis, Valmir que conduzia um dos veículos envolvido no acidente;

A terceira vitima foi identificada como sendo a farmacêutica Luana Lobo;

A quarta vitima, o estudante de Agronomia da UFMA de Chapadinha, Hugo Borges, único sobrevivente, foi retirado das ferragens com queimaduras por todo o corpo e encaminhado para o hospital.

Meus pêsames as famílias enlutadas. Infelizmente a violência no transito vem fazendo cada vez mais vítimas; inocentes perdendo a vida, famílias sendo destruídas e a pergunta que não quer calar, quem são os culpados, quais as causas de tantas mortes nas estradas maranhenses?

Como se não bastasse tantas tragédias e desgraças, ainda somos obrigados a assistir e conviver com o comportamento doentio, asqueroso e insensível de muitos que com uma câmera na mão, registram a agonia, dor e sofrimento das vitimas; sem nenhum sentimento estes que são chamados de sociedade do espetáculo, registram tragedias como estas como se fosse uma cena de um filme de ação ou de terror. ASSISTA VÍDEO AQUI

Pessoas, seres humanos, feridos, presos as ferragens, corpos estraçalhados, pedaços de corpos espalhados, familiares em desespero e alguns ou muitos ABUTRES registrando as imagens como se fosse apenas mais um espetáculo. 

Sensibilidade, empatia, misericórdia, condolência, sentir a dor do outro como se fosse minha dor, imaginar que poderia ser eu, um familiar, um amigo, um conhecido, pensar que pode acontecer comigo, tudo isso são sentimentos e pensamentos do passado.

Nada disso parece fazer parte do caráter e da ética dos ABUTRES, o que importa é filmar, registrar as cenas de terror, mostrar o corpo estraçalhado, o ser humano agonizando, se esvaindo em sangue, infelizmente o que importa é o espetáculo.

Enquanto isso, temas importantes e crucias ficam escondidos, são relegados ao esquecimento, como por exemplo:

Quais as causas deste e de outros acidente ocorridos recentemente com feridos e mortos?

Porque os acidentes com vitimas vem aumentando nas rodovias que cortam o Maranhão?

Como está funcionando a fiscalização de estradas MAs e BRs?

As estradas estão sinalizadas e em estado aceitável de conservação??

O que as autoridades precisam, devem e estão fazendo para que tragédias como estão sejam evitadas?

Quem fiscaliza e cobra a execução destas ações ?

Tantas perguntas para serem feitas e respondidas, e os ABUTRES preocupados em registrar a agonia a dor e o sofrimento daqueles que em tese deveriam ser os seus semelhantes.

sábado, 10 de janeiro de 2015

Acordo que garante melhorias no atendimento a adolescentes em conflito com a lei é ratificado




Entre as oitos medidas que integram a Sentença Homologatória, o acordo prevê mudanças no sistema de atendimento socioeducativo com vistas à regionalização de unidades de internação masculina em oito polos: São Luís, Imperatriz, Caxias, Itapecuru, Presidente Dutra, Pinheiro, Balsas e Bacabal.

A Quinta Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJ-MA) julgou improcedente, no final do ano passado, a apelação interposta pelo Ministério Público, questionando a validade da Sentença Homologatória, definida em juízo para garantir melhorias no atendimento aos adolescentes em conflito com a lei. Os desembargadores Ricardo Tadeu Duailibe e José Jorge Figueiredo dos Anjos acompanharam o voto do relator da matéria, o desembargador Raimundo José Barros de Sousa.

O acordo judicial, celebrado em maio do ano passado, REVEJA AQUI é resultado da Ação Civil Pública (ACP) proposta pela Defensoria Pública do Estado (DPE/MA), contra a Fundação da Criança e do Adolescente (Funac), em razão da superlotação e das condições inadequadas de funcionamento do Centro de Juventude Canaã (CJC).Com a decisão judicial, o Estado do Maranhão e a Funac continuam obrigados a implementar as oitos medidas que integram a Sentença Homologatória.

Para nós, essa decisão é uma vitória não somente para a Defensoria do Maranhão, mas especialmente para os adolescentes do nosso estado que cumprem medidas socioeducativas”, disse Guazzelli, lembrando que o objetivo primeiro da instituição era resolver o impasse da internação provisória de adolescentes em São Luís, o que acabou se transformando em melhorias para toda a rede de atendimento socioeducativo maranhense. 

ENTENDA O CASO

De autoria do defensor público Murilo Guazzelli, a ACP levou o juiz José dos Santos Costa, titular da 2ª Vara da Infância e Juventude de São Luís, a interditar parcialmente, em março de 2014, o Centro da Juventude Canaã (Vinhais), devido à superlotação da unidade. Na época, o magistrado determinou também a transferência dos internos que excedessem a capacidade de lotação de 30 adolescentes, além da realização de reforma nas instalações do centro, sob pena do pagamento de multa em caso de descumprimento da decisão judicial.

No final de novembro do mesmo ano, o juiz José dos Santos Costa, na presença da corregedora da Justiça, desembargadora Nelma Sarney e do juiz diretor do Fórum de São Luís, Osmar Gomes, reuniu o defensor Murilo Guazzelli; a então secretária estadual de Direitos Humanos, Luiza Oliveira; e a ex-presidente da Funac, Anailde Serra, para discutir a situação do CJC, o que gerou a Sentença Homologatória. Também participaram da audiência de conciliação, a promotora de Justiça Fernanda Helena Nunes e a presidente do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Criança e Adolescente (CEDCA), Maria Bethânia Magalhães.

Crianças e adolescentes vitimas de violência passam a contar com serviço de depoimento especial



Visando humanizar o atendimento e evitar a revitimização, crianças e adolescentes dos municípios de São Luís, Bacabal, Santa Inês, Imperatriz, Caxias, Timon, Raposa, Coelho Neto, Coroatá e São Mateus, vítimas ou testemunhas de violência sexual, física e psicológica passam a contar com espaços estruturados para a coleta de depoimento,  compostos por salas equipadas com sistema de gravação de áudio e vídeo localizado em um espaço reservado, interligado à sala de audiência, de onde o juiz, o promotor, advogados participam do processo. Profissionais de psicologia e serviço social atuam nas salas como intermediadores, realizando a entrevista com as vítimas.

O método permite a escuta em separado das vítimas de menor idade, que costumam se sentir constrangidas de falar na presença de outras pessoas ou dos supostos agressores. “Esse procedimento leva em conta o estágio de desenvolvimento da vítima e o grau de compreensão dos fatos, preservando sua integridade física e emocional”, explicou a presidente do TJMA.

“Nas salas especiais, as vítimas e testemunhas se sentem mais a vontade para narrar os fatos relacionados ao crime, com a presença de profissionais capacitados, e sem sofrerem nenhum tipo de constrangimento ou ameaça”, enfatizou o responsável pela Coordenadoria da Infância e Juventude do Tribunal (CIJ-TJMA), desembargador Jamil Gedeon Neto,

No Maranhão, o primeiro espaço especializado na coleta do depoimento de crianças foi instalado em 2008, no Fórum de Coelho Neto, antes mesmo da recomendação feita pelo CNJ, em 2010. O espaço é coordenado pela juíza membro da CIJ, Karla Jeane Matos, também titular daquela comarca.

CNJ - A implantação das salas de depoimento especial cumpre a Resolução nº 33/2010, do Conselho Nacional de Justiça, que recomendou a criação de serviço especializado na oitiva de menores de idade, vítimas ou testemunhas de crimes, no qual a palavra da criança e do adolescente é valorizada na produção de provas testemunhais para a responsabilização dos agressores.

Com informações do TJ/MA

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Política é como nuvem...






O ex-governador mineiro, Magalhães Pinto, costumava dizer que “Política é como nuvem. Você olha e ela esta de um jeito. Olha de novo e ela já mudou”. Cito um caso que se encaixa nessa teoria. Quando decidiu se candidatar, em 2012, fazendo uma campanha silenciosa, sem jingles, sem carros de som e sem cartazes, poucos acreditavam que Dicó fosse capaz de se eleger para o cargo de vereador do municipio maranhense de Cantanhede, distante 165 quilometros da capital, São Luis. A nuvem mudou de forma. Raimundo Nonato Ferreira, o popular Dicó,de 47 anos de idade, foi eleito e hoje é um dos vereadores mais atuantes do município.
Prestação de contas

Durante confraternização de fim de ano, no Portal de Eventos, em Cantanhede, Dicó enumerou as principais ações da sua atuação parlamentar e ressaltou o empenho que teve para conseguir a liberação de recursos do PNHR – Programa Nacional de Habitação Rural para a construção de 180 casas. As primeiras 30 unidades serão entregues às famílias ainda este mês.

Solidariedade

O papel essencial dos vereadores é fiscalizar as ações do Executivo e elaborar as leis municipais, como, por exemplo, a Lei Orgânica – que na prática é a "Constituição Municipal". Porém, a atuação de muitos parlamentares municipais ultrapassa as fronteiras das suas atribuições formais.

O vereador Dicó se enquadrado nessa situação. Tem sido presença constante nos debates ocorridos na Câmara e tem demonstrado sensibilidade diante das dificuldades dos mais humildes.

Dicó sempre contribui, na medida do possível, para amenizar os problemas das pessoas buscam algum tipo de apoio. O popular João Preto está entre as pessoas favorecidas com a solidariedade do vereador. Preto ganhou uma bicicleta, doada pelo parlamentar. 

Ascensão política

Pelo desempenho no parlamento e pelo trabalho social que vem praticando, Dicó cresceu politicamente. Assim como acontece com as nuvens, em apenas dois anos de mandato a imagem do vereador Dicó mudou. A pouca expressividade política de 2012 ganhou força. Hoje, Dicó está entre os vereadores de maior prestígio em Cantanhede. É festejado por aliados e respeitado por opositores.

É prudente não duvidar que na eleição de 2016 Dicó volte a surpreender, afinal, o experiente Magalhães Pinto tinha razão. A rápida ascensão do vereador Dicó confirma: “política é como nuvem”, ganha novos formatos a cada instante e costuma surpreender até mesmo os mais habilidosos estudiosos do tema.









sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Homem tem 80% do corpo queimado enquanto dormia no centro de São Luis

 Foto: reprodução
   
Atualizado as 10h00 - 03/01/2015

Internado desde a manhã desta sexta-feira (02), na UTI do Hospital Djalma Marques o Socorrão, em estado grave, morreu na manhã deste sábado o  homem que teve 90% do corpo atingido pelas chamas enquanto dormia em uma praça no centro da capital, Ivaldo Canário de Sousa, conhecido como 'Xitara' não resistiu aos graves ferimentos.

Morador de rua ainda é tratado como assombração 

A imagem de um homem negro, em situação de rua, pobre, sem roupas, agonizando, com 80% do corpo queimado e caído ao chão, foi publicada em praticamente todos os portais de noticias, a sociedade do espetáculo e o sensacionalismo produzem estas aberrações.  

Faltou dizer quem é este homem, porque ele está ali, porque até acontecer o crime ele era invisível. Afinal, quem são as pessoas em situação de rua? Por que elas estão nesta situação? 
                                            
Um homem de 38 anos de idade foi vitima de um grave atentado no centro da capital maranhense na manhã desta sexta-feira (02), ele teve 80% do corpo queimado.

O homem identificado como Ivaldo Canário de Sousa, conhecido como Xitara, dormia em uma praça no centro de Sâo Luis, quando Daniel dos Santos Nogueira de 31 anos despejou combustível sobre o corpo de Ivaldo e ateou fogo. As chamas atingiram 80% do corpo da vitima que foi socorrido por populares.

Chama atenção o tempo para a chegada do socorro, mesmo o acidente tendo acontecido no centro da cidade, próximo aos Hospitais Djalma Marques e Santa Casa, o homem agonizou durante uma hora estendido ao chão, sob o olhar de curiosos, até a chegada de uma viatura do Corpo de Bombeiros que o transportou para Hospital Djalma Marques, o Socorrão I.

Segundo nota divulgada pela Secretaria Municipal de Saúde,  Ivaldo Canário de Sousa, está internado na Unidade de terapia Intensiva, seu estado de saúde e grave. 

Daniel dos Santos Nogueira, acusado de praticar o crime foi preso e atuado em flagrante, durante depoimento ele confessou ter ateado fogo na vitima por vingança, já que segundo ele, Ivaldo teria lhe roubado a carteira porta cédulas e o aparelho celular. 

Vale ressaltar que a vitima é flanelinha e vive em situação de rua, fato amplamente explorado pela mídia, a imagem de um homem negro, sem roupas, agonizando, com 80% do corpo queimado e caído ao chão, foi publicada em praticamente todos os portais de noticias.

Faltou dizer quem é este homem, porque ele está ali, porque até acontecer o crime ele era invisível, Afinal, quem é a população em situação de rua? Por que elas estão nesta situação? 


O Bicho, de Manuel Bandeira

“Vi ontem um bicho
Na imundície do pátio
Catando comida entre os detritos.

Quando achava alguma coisa,
Não examinava nem cheirava:
Engolia com voracidade.

O bicho não era um cão,
Não era um gato,
Não era um rato.

O bicho, meu Deus, era um homem”.


O morador de rua ainda é tratado como assombração viva de becos, vielas e calçadas. Está sempre nas marquises, enrolado em papelões e jornais, protegendo-se do frio e das chuvas. São confundidos com o mobiliário urbano e tem a atenção das pessoas tanto quanto tem um banco de praça, um ponto de ônibus ou aqueles “chafarizes” dos bombeiros, bem simpáticos por sinal, no qual as crianças adoram pular. A FIGURA DO MORADOR DE RUA
Somos acostumados a olhar para alguém que está no chão da praça ou perambulando pela rua, mal vestido, e seguir em frente. Parece que estas pessoas já fazem parte do cenário urbano.
Além da indiferença da maior parte da população em relação a estas pessoas, o preconceito gera uma imagem fixa de ‘’pessoa de rua’’. Esta pessoa é aquela que está na rua, provavelmente desde sempre, viciada em drogas, sem estudo, e que comete crimes. Quando existe a aproximação com esta parcela da população, fica nítido que este preconceito não condiz com a realidade. Afinal, quem é a população em situação de rua? Por que elas estão nesta situação? Os invisíveis que eles querem esconder 


Moradores de rua são seres humanos que vivem fora do contexto social, são vidas sem 
direito à saúde, sem médicos e sem remédios; sem direito à moradia, a casa é a rua; sem 
saneamento básico; sem higiene; sem alimentação, comem qualquer tipo de alimentos, 
oriundos dos lixões; sem acesso à educação; sem emprego, em sua maioria não tem instrução 
nem qualificação, logo lhe faltam oportunidades; sem segurança; sem lazer, as drogas lhes 
consomem o tempo. Enfim, são destituídos de cidadania, de condições que lhes confiram 
dignidade.   




quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Considero o jornalismo um sacerdócio e como tal o exerço - FELIZ 2015




Chego ao final de mais  um ano, 2014 se vai, e os 365 dias que ficam param trás não foram embora em vão, eles foram muito especiais porque deixaram marcas, sinais, frutos e sementes. Sem nenhuma hipocrisia, este foi um ano de aprendizagem, de novas experiencias, de busca interior, de conflitos pessoais, e de uma procura cada vez mais  intensa e profunda por respostas para perguntas que talvez nem respostas tenham. 

O ano de 2014 foi um dos melhores anos de minha vida, durante este ano aprofundei minha inquietação em busca de um modo diferente de fazer jornalismo, ampliei minha fuga do sensacionalismo barato e evitei dizer apenas o mais do mesmo, busquei com afinco dizer aquilo que ninguém tinha dito ainda, intensifiquei a tentativa de mostrar os diversos e múltiplos lados da informação, fui ouvir aqueles que não tem vez e nem voz. Tudo isso que aconteceu  comigo em 2014 considero que sejam sementes lançadas ao solo e que germinarão em 2015 e nos anos e décadas que virão. Considero o jornalismo um sacerdócio e como tal o exerço.

Minhas convicções, opiniões e pontos de vista sobre os mais diversos temas, como política, religião, futebol e tantos outros, sempre foram claras e muito transparentes, tenho lado e tenho opinião própria, e os defendo com argumentos lógicos e fundamentados, aceito e respeito contraditório desde que seja apresentado com argumentos plausíveis e fundamentados em bases solidas. Não costumo confundir as amizades com o pensamento e a posição ideológica dos companheiros. 

Em 2015 completarei 50 anos de idade, meio século se passou, e eu hoje tenho mais perguntas do que respostas, mais incertezas do que certezas, a busca interior se amplia com o passar dos anos, a conversa com o EU e cada vez mais profunda, algumas coisas parecem não fazer mais tanto sentido, o olhar ampliado e seletivo parece aguçar o pensamento, fato que provoca auto-avaliações e cobranças cada vez mais intensas e as vezes injustas.

A busca do perfeccionismo é fruto da constatação de que tenho pouco tempo para realizar portanto não tenho mais tempo para errar, sou obrigado a acertar, sob pena de talvez não ter outra oportunidade para tentar. 

Chega de filosofar, afinal hoje é dia de comemorar, festejar e esperar o novo ano de 2015, deixo aqui a minha mensagem de fé, otimismo, paz e muita felicidade a todos os leitores destas linhas, aos que nos acompanham e a todos aqueles  com quem tive a felicidade de compartilhar momentos de alegria, paz e felicidade em 2014. 


FELIZ 2015 A TODOS 

Dedico a todos vocês este lindo texto de Frei Betto

Neste ano-novo, se faça novo, reduza a ansiedade, regue de ternura os sentimentos mais profundos, imprima a seus passos o ritmo das tartarugas e a leveza das garças.

Não se mire nos outros; a inveja mina a autoestima, fomenta o ressentimento e abre, no centro do coração, o buraco no qual se precipita o próprio invejoso.

Espelhe-se em si mesmo, assuma seus talentos, acredite em sua criatividade, abrace com amor sua singularidade. Evite, porém, o olhar narcísico. Seja solidário: estenda aos outros as mãos e oxigene a própria vida. Não seja refém de seu egoísmo.

Cuide do que fala. Não professe difamações e injúrias. O ódio destrói a quem odeia, não o odiado. Troque a maledicência pela benevolência. Comprometa-se a expressar alguns elogios por dia. Sua saúde espiritual agradecerá.

Não desperdice a existência hipnotizado pela TV ou navegando aleatoriamente pela internet, naufragado no turbilhão de imagens e informações que não consegue síntetizar. Não deixe que a sedução da mídia anule sua capacidade de discernir e o transforme em consumista compulsivo. A publicidade sugere felicidade e, no entanto, nada oferece senão prazeres momentâneos.

Centre sua vida em bens infinitos, nunca nos finitos. Leia muito, reflita, ouse buscar o silêncio neste mundo ruidoso. Lá encontrará a si mesmo e, com certeza, um Outro que vive em você e que quase nunca é escutado.

Cuide da saúde, mas sem a obsessão dos anoréticos e a compulsão dos que devoram alimentos com os olhos. Caminhe, pratique exercícios, sem descuidar de aceitar as suas rugas e não temer as marcas do tempo em seu corpo. Frequente também uma academia de malhar o espírito. E passe nele os cremes revitalizadores da generosidade e da compaixão.

Não dê importância ao que é fugaz, nem confunda o urgente com o prioritário. Não se deixe guiar pelos modismos. Faça como Sócrates, observe quantas coisas são oferecidas nas lojas que você não precisa para ser feliz. Jamais deixe passar um dia sem um momento de oração. Se você não tem fé, mergulhe em sua vida interior, ainda que por apenas cinco minutos.

Arranque de sua mente todos os preconceitos e, de suas atitudes, todas as discriminações. Seja tolerante, coloque-se no lugar do outro. Todo ser humano é o centro do Universo e morada viva de Deus. Antes, indague a si mesmo por que, às vezes, provoca nos outros antipatia, rejeição, desgosto. Revista-se de alegria e descontração. A vida é breve e, de definitivo, só conhece a morte.

Faça algo para preservar o meio ambiente, despoluir o ar e a água, reduzir o aquecimento global. Não utilize material que não seja biodegradável. Trate a natureza como aquilo que ela é de fato: a nossa mãe. Dela viemos e a ela voltaremos. Hoje, vivemos do beijo na boca que ela que nos dá continuamente: ao nutrir cada um de nós de oxigênio e alimentos.

Guarde um espaço em seu dia a dia para conectar-se com o Transcendente. Deixe que Deus acampe em sua subjetividade. Aprenda a fechar os olhos para ver melhor.

Feliz 2015!

Frei Betto é escritor, autor de “A arte de semear estrelas” (Rocco), entre outros livros.

Depois de denúncia anônima, adolescentes vitimas de agressão e cárcere privado são libertadas




Denuncie! Ligue 3223 5800 (Capital) ou 03003135800. Whatsapp (98) 99224 8600!

O Disque-Denúncias recebeu 12.237 ligações denunciando crimes contra crianças e adolescentes na Grande São Luis no período de 2008 a agosto de 2014, somente nos oito primeiros meses de 2014 foram registrados 1.314 denúncias de violência contra crianças e adolescentes.  

O papel da população é essencial no sentido de denunciar práticas criminosas contra crianças e adolescentes. "É preciso romper com o pacto de silêncio que encobre as situações de abuso e exploração contra crianças e adolescentes. Não se pode ter medo de denunciar. Essa é a única forma de ajudar essas vítimas" enfatiza o coordenador do Disque-Denúncia, Erik Moraes.

Duas adolescentes vitimas de agressão física e que eram mantidas em cárcere privado foram localizadas e libertadas pela polícia em São Luis.

As duas jovens, uma de 15 e outra de 17 anos,  são do interior do estado, mais precisamente da baixada maranhense, do município de Penalva, distante 255 quilômetros da capital. Após denúncias anônimas feitas ao Centro Integrado de Polícia e Segurança (Ciops), elas foram encontradas na manhã de terça-feira (30), em uma casa no bairro Divineia em São Luis. 

Segundo as denúncias, as jovens teriam vindo para São Luis após receberem proposta de trabalho feita por Diana Cristina Santos Lavras, de 34 anos, a dona da casa onde as adolescentes foram encontradas. Diana foi presa acusada de agressão e cárcere privado, encaminhada com testemunhas e vitimas para  a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (Dpca) e em seguida transferida para o Presidio Feminino do Complexo de Pedrinhas.

Exames de corpo de delito feitos nas vitimas confirmaram que as duas sofriam agressões, as jovens foram levadas para casa de familiares na capital e devem retornar para Penalva ainda esta semana.

De acordo com a Secretaria de Inspeção do Trabalho, do Ministério do Trabalho e Emprego, desde o início do ano, auditores fiscais flagraram 3.432 crianças e jovens trabalhando em todo o Brasil. Os dados foram apresentados na última sexta-feira, e apesar de ser um número inferior ao registrado no ano passado, quando foram detectados 5.382 casos, representa a dificuldade do país em atingir a meta de erradicar o trabalho infantil até 2020.

SAIBA MAIS 

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD, de 2012), 3,5 milhões de crianças e adolescentes entre cinco e 17 anos de idade continuam sujeitas ao trabalho infantil. No Maranhão, segundo a mesma pesquisa, 19% da população entre 10 e 17 anos trabalha. O estado é o quarto no ranking do Nordeste, com cerca de 144 mil crianças exploradas, a maioria em atividades ligadas à lavoura e à pecuária. 

Em comparação ao número de habitantes, o Maranhão é o que mais explora a mão-de-obra infantil: 6% das crianças e adolescentes trabalham no estado. Isso significa mais de 200 mil maranhenses. No ranking do trabalho infantil no Brasil, o Maranhão ocupa o terceiro lugar.

Conforme levantamento feito pelo Observatório Social de São Luís, baseado no Censo IBGE 2010, as regiões da Cidade Olímpica, Coroado/Monte Castelo/João Paulo, Janaina/Riod, Divinéia, Cohatrac, Forquilha, Cohama e Centro são as que apresentam o maior número.

O trabalho doméstico é proibido para o menor de 18 anos conforme legislação, pois o mesmo está inserido na lista das piores formas de trabalho (convenção 182), portanto este trabalho infringe a lei que determina que seja proibido o trabalho insalubre e perigoso ao menor de 18 anos.

Por trabalho infantil doméstico adota-se o entendimento de Alberto (2006) que
diz que trabalho infantil é: afazeres domésticos de cuidar de casas, pessoas, feitos para a própria família ou para terceiros em troca de remuneração ou não, por crianças e adolescentes de até 17 anos de idade.

CAUSAS

Não existe uma causa especifica que leve a criança e o adolescente ao mundo do trabalho, existem toda uma combinação de fatores que juntos ou separados acabam por explorar a mão de obra infantil. No trabalho infantil doméstico existem vários fatores que contribuem com a inserção da criança ou adolescente neste ramo de atividade, entre eles está o fato de este não ser considerado um trabalho pesado ou degradante que interfira de algum modo no crescimento da criança; para outros este trabalho não é visto como um trabalho e sim como uma “ajuda” complementar ao rendimento da família(MOREIRA E STENGEL, 2003).

Legitimado pela sociedade, como um trabalho normal, que não interfere no desenvolvimento da criança, o trabalho infanto-juvenil doméstico assume várias facetas,pois pode ser realizado em casa de terceiros, na própria residência para a família, na casa de parentes, vizinhos, podendo ser remunerados ou não. Decorre daí sua invisibilidade, pois não é um trabalho que possa ser facilmente identificado, pois está camuflado atrás de ideologias como: “educar ou preparar para a vida”, “Ajuda a família”.


CONHEÇA MAIS SOBRE TRABALHO INFANTIL


terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Hildo Rocha, político experiente, trabalhador, atuante e eficiente






 Por: Marco D'Eça



Hildo Rocha: um perfil…

É natural que ao término das campanhas eleitorais os competidores queiram descansar.

Após o pleito, muitos viajam, outros se recolhem, alguns somem, desligam os celulares, trocam de número e desaparecem. Mas existem aqueles que conseguem manter um ritmo de trabalho semelhante ao do período de campanha.

É o caso do Deputado Federal eleito Hildo Rocha.

Eleito com 125.521 votos, o novo deputado federal mantém diariamente contatos com prefeitos e lideranças, participa de eventos, visita aliados, participa de inaugurações e, nos dois encontros promovidos pelo PMDB, em Brasília, Hildo Rocha teve boa desenvoltura, dando claros sinais de que tem muito a contribuir para o bom desempenho da legislatura que será iniciada em fevereiro de 2015.

Até mesmo nos finais de semana, Hildo Rocha participa de eventos.

No último sábado (27), participou da confraternização dos servidores da Secid; no dia seguinte, marcou presença no almoço com lideranças e moradores do Bairro de Fátima onde foi homenageado pela Diretoria da Associação Carente São Benedito.

Ao manter intensa agenda de compromissos, após a eleição, Hildo Rocha demonstra devoção pela vida pública, atividade que exige dedicação integral.

Até os mais severos críticos do novo parlamentar reconhecem: Hildo Rocha é trabalhador. O comportamento pós-eleição indica que esse traço da sua personalidade se mantém inalterado.

A trajetória política de Hildo Rocha é suficiente para explicar sua votação.

Vereador criativo e inovador: autor da Lei Municipal que permitiu a geminação da cidade de Cantanhede em Portugal com a Cantanhede maranhense. Com essa iniciativa, as duas cidades passaram a ser oficialmente irmãs, facilitando o intercâmbio cultural e outras ações relevantes para as duas cidades.

Prefeito com visão futurista:modernizou a administração púbica municipal transformando Cantanhede em referência nacional especialmente nos setores da Educação, da Ação Social e da Reforma Agrária.

Municipalista fervoroso: Hildo Rocha fortaleceu a representatividade da Federação dos Municípios do Maranhão (FAMEM) e colocou a instituição no centro dos debates locais e nacionais em defesa das causas municipalistas.

Articulador eficiente: na Secretaria de Assuntos Políticos exerceu importante papel no aprimoramento das relações institucionais entre o Governo Estadual, as prefeituras e demais órgãos da administração Federal.

Gestor competente: Na Secretaria de Estado das Cidades e Desenvolvimento Urbano, implantou o Programa Viva Desenvolvimento Urbano, iniciativa por meio da qual o Governo do Maranhão está realizando centenas de obras de infraestrutura e saneamento ambiental em quase todos os 217 municípios maranhenses.

A expressiva votação não aconteceu por acaso.

Hildo Rocha é um político experiente, trabalhador, atuante e eficiente.

Seu perfil inspira credibilidade.

Que na condição de deputado federal, consiga suportar o peso dos 125.521 votos recebidos e represente o Maranhão com a necessária honradez.

sábado, 27 de dezembro de 2014

Garota de 16 morre em colisão entre motocicletas





Segundo dados da Polícia Rodoviária federal no período de 20 a 25 de dezembro de 2014 foram registrados 49 acidentes nas rodovias federais que cortam o Maranhão, destes, 12 foram classificados como graves, 40 pessoas ficaram feridas e 17 morreram nestes acidentes. Vale lembrar que a PRF não contabiliza os acidentes registrados nas rodovias estaduais, as chamadas MAs e os ocorridos no perímetro urbano dos municípios.

Na madrugada de quinta-feira (25), por volta das 4h da manhã, uma colisão entre duas motocicletas resultou na morte de duas pessoas e outras duas estão internadas em estado grave em um hospital da capital.



Distante 550 quilômetros da capital Maranhense, a cidade de Godofredo Viana fica a cerca de 9 quilômetros da sede do município de Cândido Mendes, as duas cidades são interligados pela MA-101.

Uma motocicleta modelo Broz conduzida por um homem identificado por Vando e uma moto modelo Biz com três ocupantes colidiram na madrugada de quinta-feira (25). O acidente aconteceu na MA-101, entre os municípios de Godofredo Viana e Cândido mendes.

Vando, o condutor da broz, morreu ainda no local do acidente. Em estado grave, as outras três vitimas que estavam na Biz, foram socorridas e encaminhadas para o hospital de Cândido Mendes.

Devido a gravidade dos ferimentos os três jovens foram transferidos para um hospital particular em Belém do Pará. Anny Sthefany de 16 anos, não resistiu aos ferimentos e morreu antes de chegar a capital paraense. 

As vitimas identificadas como Junior e Thayse permanecem em coma e internados em estado grave no Hospital Metropolitano em Belém do Pará. 

 "Na maioria das festas na região de Carutapera a Cândido Mendes, passando por Luis Domingues e Godofredo Viana vem acontecendo essas fatalidades, já é hora de se criar uma política de segurança no trânsito para região montando operações mais rígidas nas saídas das cidades, com certeza teríamos mais segurança no trânsito e menos óbitos na região" é o que ressalta o leitor Reinaldo Cruz, ao lamentar o grave acidente.




terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Quatro crianças mortas no final de semana no Maranhão




Além do extermínio de jovens e adolescentes negros nas periferias da grande São Luis, da cooptação cada vez mais precoce destes adolescentes pelos grupos criminosos, do trabalho infanto juvenil acontecendo abertamente no Centro Comercial da capital Maranhense como se fosse algo normal e natural, neste final de semana QUATRO crianças morreram vitimas de acidente no interior do estado.

Promulgado em 13 de julho de 1990, o Estatuto da Criança e do Adolescente prestes a completar 25 anos foi responsável por grandes avanços, mas infelizmente ainda somos obrigados a reconhecer que muito ainda precisa ser feito para que direitos de crianças e adolescentes sejam garantidos em sua plenitude. É preciso que a sociedade participe de forma mais  consciente e ativa da defesa e garantia dos direitos de crianças e adolescentes, denunciando, cobrando  e  efetivando estes direitos. 

Está explicito no Artigo 227 da Constituição Federal: É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. (Redação dada Pela Emenda Constitucional nº 65, de 2010)

Na manhã de domingo (21), uma criança de cinco anos morreu após ser atropelada por um caminhão. Na tarde de domingo (21), uma criança de 11 anos morreu após ser atropelada por uma caminhonete que era conduzida pela própria mãe. Na tarde de segunda-feira (22), duas crianças uma de sete e outra de oito anos de idade morreram afogadas em um açude.


A criança de cinco anos morreu depois de ser atropelada por um caminhão no bairro Industrial, no município de Amarante, distante 855 quilômetros de São Luis. Segundo informações da policia o condutor do veiculo não teria visto a criança que estava brincando na rua. O motorista abandonou o caminhão e evadiu-se do local do acidente.


Em Itapecuru Mirim, município localizado a 108 quilômetros da capital,  uma caminhonete atropelou e matou uma criança de 11 anos de idade, o acidente aconteceu na tarde de domingo (21), em um sitio da família da vitima. Segundo informações o veiculo era conduzido pela mãe da vítima, e o acidente teria ocorrido quando a mãe manobrava a caminhonete e ao engatar a marcha ré, não viu o garoto, que foi prensado contra uma árvore. O garoto foi socorrido imediatamente e encaminhado para o hospital da cidade onde já chegou sem vida.  

Na tarde de segunda-feira (22), Everton Sousa de Oliveira de 8 anos e Laerton Alexandre Sousa de Oliveira de 7 anos, morreram depois de caírem dentro de um açude localizado em um sitio no município maranhense de Pedreiras, distante 245 quilômetros de São Luis.

Segundo informações, Everton teria se desequilibrado e caído da parte alta do açude, na tentativa de se salvar, teria tentado se segurar no irmão Laerton Alexandre, levando os dois a caírem dentro d,água e se afogarem. 

As crianças moravam em Marabá e tinham chegado à Pedreiras no ultimo final de semana para passar o Natal na casa dos avós. Esta era a primeira vez que eles vinham a Pedreiras.