domingo, 30 de março de 2014

De alguma forma, o pensamento imbecil está ligado à educação deficiente


Convido os nossos leitores a lerem interessante texto do jornalista e professor universitário Paulo Pellegrini, sobre a pesquisa do Ipea que avaliou a tolerância social à violência contra as mulheres, ele faz importantes considerações sobre o assunto, com certeza vale a pena ler o que Paulo Pellegrini diz sobre o assunto:













A pesquisa do Ipea sobre tolerância social à violência contra as mulheres, que revelou a estarrecedora posição majoritária do brasileiro e da brasileira "a favor" do estupro, caso a mulher "mereça" por causa de suas roupas. 

Sugiro lerem a pesquisa, não as matérias sobre a pesquisa. Não é necessariamente a mesma coisa. Um dado omitido da maioria das matérias diz respeito à escolaridade dos entrevistados. Apenas 5,4% têm ensino superior e 41,5% sequer concluíram o fundamental. De alguma forma, o pensamento imbecil está ligado à educação deficiente.


Há outro detalhe importante, sob certo ponto de vista. A pergunta da pesquisa (gráfico 24) é " mulher que usa roupas que mostram o corpo merece ser ATACADA?". 
A palavra usada é ATACADA, não ESTUPRADA. Embora seja evidente que a intenção da pergunta é se referir ao estupro, não descartemos a possibilidade de parte dos entrevistados terem interpretado "atacadas" como "importunadas", "cantadas", "bolinadas"... ÓBVIO, todas essas ações são ridículas do mesmo jeito, indefensáveis, machistas e tudo o mais, mas não é absurdo pensar que, se a palavra usada na pergunta fosse "estuprada", os índices de "sim" poderiam ter sido menores. Mas, como disse, que fossem mínimos: uma pessoa que fosse que pensasse assim já seria absurdo.

Ainda sobre a pesquisa do Ipea.

O que a pesquisa mostra é o preconceito da sociedade ao livre direito das mulheres de ir e vir, de se vestirem como quiserem, de escolherem com quem querem sair, de serem independentes, de serem emancipadas de fato.

A liberdade das mulheres, ao combaterem o horror do estupro, é a liberdade social, de gênero, sexual, do uso do corpo.

O homem não tem o direito de interferir nessa liberdade.

Trata-se, fundamentalmente,portanto, do comportamento masculino. O estupro é uma consequência nefasta de como esse comportamento pode se manifestar, a partir de uma simples cantada indesejada, até se transformar então na coerção, na agressão, na violência, no crime abjeto.

Como muito bem se tem dito, o comportamento masculino é a causa do estupro, não a roupa da mulher.

Isso significa que o homem bem comportado não é estuprador em potencial. Nesse contexto, ser bem comportado é controlar-se, não se deixar cair em tentação.

Social e historicamente, o mecanismo mais eficaz desse controle é a religião. As igrejas ensinam a fidelidade, o respeito, a não-transgressão. O casamento é simbólico neste aspecto.

Não é exagero dizer que, se todos os homens seguissem a chamada moral cristã, não haveria estupro, a não ser em casos patológicos.

Na moral cristã, aliás, o homem sequer faria sexo antes do casamento. E as mulheres poderiam vestir-se como bem entender, sem se preocupar com assanhados.

A moral cristã, seguida, é, portanto, benéfica às mulheres.

O detalhe é que a mesma moral cristã que, seguida, tolhe o homem do comportamento inaceitável, poderia, em tese, ser contraditória à liberdade da mulher.

Na moral cristã, sexo antes do casamento vale tanto para homens quanto para mulheres, então o assédio masculino é tão transgressor quanto a livre escolha da mulher para ter parceiros que não estupram.

A liberdade do corpo - a defesa do aborto, por exemplo - é inaceitável na moral cristã.

Homens e mulheres se resguardando, casando e procriando, não traindo, não seduzindo terceiros, não fazendo sexo fora e antes do casamento, eis a receita da moral cristã que seria infalível.

Mas acredito que mulher nenhuma pensa assim, em pleno século XXI. Querem viver suas vidas com todas as vontades e não querem ser importunadas.

Não falo do estupro. Esse é injustificável, inclusive dentro do casamento, quando não é incomum maridos subjugarem esposas a violência sexual, usando o matrimônio como pretexto.

Falo apenas das liberdades. A fuga da moral cristã pelas mulheres, em defesa de suas liberdades, desconecta-se do assédio que pode virar violência somente quando é o homem que não foge dessa moral.

Cria-se um contrassenso: com a moral cristã, a mulher não é livre; sem ela, torna-se alvo do homem. Fica ruim pra ela dos dois jeitos.

Talvez por isso, é uma questão sem solução plena.

Não bastaria ao homem ser fiel aos preceitos religiosos, a mulher teria que abrir mão das liberdades; e não bastaria à mulher querer transgredir essa moral, o homem teria que segui-la.

Por isso, o assédio, a cantada, a importunação de um homem sobre uma mulher é consequência do que ambos fazem da moral cristã, ou seja, pouco a levam em conta.

Quando chega ao nível do estupro, cadeia nele.

E é essa última frase que realmente tem que ser praticada. O que vem antes é socialmente compartilhado, então não dá pra ver como problema.

Paulo Pellegrini 
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Credibilidade é o nosso maior patrimônio

Nosso objetivo é fazer jornalismo com seriedade, produzindo conteúdo regional, sobre política, economia, sociedade e atualidade, na forma de opinião, editorial e criticas.

Não usamos de artifícios como sensacionalismo, imagens apelativas, chocantes ou degradantes, tampouco textos, frases, ou palavras chulas para obter acessos.

Não somos o primeiro a divulgar a informação, mas somos quem apresenta o conteúdo checado, aprofundado e diferenciado.

Aqui oferecemos aquele algo mais que ainda não foi dito, ou ainda não foi mostrado.

Noticias qualquer um pode divulgar, mas com apuração e seriedade só aqui.

Comentários anônimos, ou que contenham, palavrões, pornografia, ataques pessoais, calúnias ou difamações não serão publicados.

Jornalista Abimael Costa

LG Contabilidade Pública

LG Contabilidade Pública

Clinica Santo André

Clinica Santo André