sábado, 5 de abril de 2014

Marco Civil da Internet, um exemplo para o mundo




















Abimael Costa 

Aprovado na Câmara dos Deputados, na terça-feira (25), o Marco Civil da Internet chamado por muitos de Constituição da Internet vem chamando a atenção de vários países do mundo devido a sua importância e ineditismo. 

Os primeiros passos para criação do Marco Civil da Internet começaram a ser dados ainda em 2009, quando um texto elaborado pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), entidade civil sem fins lucrativos formada pelo governo, acadêmicos, empresários e terceiro setor marcaram o inicio das discussões sobre o tema. Varias consultas públicas foram realizadas entre outubro de 2009 e maio de 2010 além de sete audiências publicas em quatro das cinco regiões do Brasil, o resultado de toda esta discussão deu origem ao projeto de lei 2126/11, batizado como “Marco Civil da Internet”, que chegou ao Congresso Nacional deforma inédita e muito madura, já que foi fruto de uma longa consulta popular por meio da internet. Foram aproximadamente 2,3 mil contribuições da sociedade civil organizada, desde que começou a tramitar até ser aprovado na câmara o projeto recebeu outras 36 contribuições.

Para o autor do projeto deputado Alessandro Molon (PT-RJ), o objetivo principal é que o Marco Civil funcione com uma espécie de Constituição da Internet, estabelecendo de forma clara os direitos e deveres de usuários e provedores da internet no Brasil, além de oferecer princípios legais e garantias do uso da internet. Considerado a menina dos olhos da presidenta Dilma Russeff, o projeto tem a responsabilidade de ser a principal ferramenta legal de combate a ciberespionagem estrangeira.

A importância do projeto e tão grande que governantes do mundo inteiro estão com os olhos voltados para o Brasil, já que o Marco Civil é um projeto inédito, ou seja, não existe nada parecido no mundo, segundo Tim Berners-Lee, criador da rede mundial de computadores (world Wide Web) “O Brasil tem a oportunidade de oferecer ao mundo um modelo que reafirma sua condição de grande democracia e dessa forma ajudará a inaugurar uma nova era: aquela em que os direitos dos cidadãos em todos os países ao redor do mundo são protegidos por leis digitais” Tim Berners afirma ainda que: “Se o Marco Civil for aprovado, sem atrasos ou alterações, este seria o melhor presente de aniversario possível para os usuários da web brasileira e mundial”

Os recentes casos de retrocesso e bloqueio de conteúdos da internet em alguns países com características democráticas, como a Turquia, onde o acesso ao Twitter e o Youtube foram bloqueados para evitar o envio de mensagens denunciando corrupção e mobilização de movimentos populares, reforçam ainda mais a importância da aprovação do Marco Civil da Internet.

Alguns pontos se destacam no Marco Civil, entre eles, a proibição de que terceiros tenham acesso a dados, correspondências e comunicação na internet, à liberdade de expressão e a proteção da privacidade e dos dados pessoais. O projeto prevê que os provedores serão obrigados a guardar sob sigilo e em lugar seguro os registros de comunicação dos usuários por um período de seis meses, a guarda destes dados será feita de forma sigilosa e segura, ou seja os provedores guardarão apenas o IP e não as informações pessoais do usuário.

Vale ressaltar que o projeto amplia as garantias a liberdade de expressão na internet, já que o os provedores só podem retirar conteúdo da rede após ordem judicial, outra inovação é que os provedores só poderão ser penalizados se não cumprirem a determinação da justiça. Ao disciplinar temas importantes como: privacidade, dados pessoais, armazenamento de dados, vigilância na web e internet livre, o Marco Civil da Internet mostra ser um projeto de lei inovador, democrático e acima de tudo futurista, uma vez que avança em um terreno até então sem nenhuma regulamentação especifica.

O Marco Civil da Internet é um projeto de lei inovador que normatiza a internet até então considerada terra de ninguém, terra sem lei, ele deve funcionar como uma espécie de guarda chuva, onde devem se abrigar outras leis que regulamentarão a internet no Brasil, este é apenas o primeiro passo em direção a uma legislação mais ampla e completa obre a internet no país. O projeto foi aprovado em votação simbólica na Câmara Federal e segue agora para votação no Senado, a expectativa é que o projeto seja aprovado sem ressalvas e siga para sanção presidencial ainda no mês de abril deste ano.

É imprescindível que os senadores aprovem o projeto na forma como está sem ressalvas ou emendas sob pena de inviabilizar o Marco Civil da Internet, em entrevista sobre o assunto, o senador Lindbergh Farias foi enfático ao afirmar: “Qualquer mudança que o Senado faça no projeto do Marco Civil fará com que ele volte para a Câmara dos Deputados. Caso isso aconteça, provavelmente o projeto não será aprovado neste ano. Isso beneficiará as grandes corporações de telefonia em detrimento do cidadão que usa os serviços. Se o Marco Civil voltar para a Câmara corre o grande risco de ser piorado. Nós não podemos retroceder. E eu acredito que há este clima favorável à cidadania digital no Senado”.

Abimael Costa
jornalistaabimaelcosta@gmail.com 
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Credibilidade é o nosso maior patrimônio

Nosso objetivo é fazer jornalismo com seriedade, produzindo conteúdo regional, sobre política, economia, sociedade e atualidade, na forma de opinião, editorial e criticas.

Não usamos de artifícios como sensacionalismo, imagens apelativas, chocantes ou degradantes, tampouco textos, frases, ou palavras chulas para obter acessos.

Não somos o primeiro a divulgar a informação, mas somos quem apresenta o conteúdo checado, aprofundado e diferenciado.

Aqui oferecemos aquele algo mais que ainda não foi dito, ou ainda não foi mostrado.

Noticias qualquer um pode divulgar, mas com apuração e seriedade só aqui.

Comentários anônimos, ou que contenham, palavrões, pornografia, ataques pessoais, calúnias ou difamações não serão publicados.

Jornalista Abimael Costa

LG Contabilidade Pública

LG Contabilidade Pública

Clinica Santo André

Clinica Santo André