sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Crianças e adolescentes seduzidos e cooptados cada vez mais cedo por grupos criminosos





Um detalhe chama a atenção no caso das 132 pessoas detidas em São Luis na noite desta quinta-feira (11), quando participavam de uma festa supostamente promovida por uma facção criminosa com o objetivo de comemorar a morte de policiais militares ocorridas recentemente.

Dos 132 participantes da festa, 59 eram adolescentes. "Muita gente nova, muitos garotos e garotas com um futuro todo pela frente se envolvendo em coisas erradas. Isso me deixa muito triste", lamentou o comandante do Policiamento Metropolitano, coronel Pedro Ribeiro.

É preciso discutir e buscar explicações para o fato de que o poder de aliciamento dos grupos criminosos tem se tornado cada vez maior, o fascínio que as facções criminosas exercem sobre crianças e adolescentes nos bairros de periferia da Grande São Luis vem aumentando de forma exponencial e o mais grave, a idade dos jovens seduzidos pelo poder do trafico é cada vez menor. Como reverter o caos a que estamos submetidos? Aonde erramos? quem errou? é hora de fazer uma autocrítica.

Em artigo publicado na edição zero da revista Catirina, lançada na quarta-feira (10), pela SHDM -Sociedade Maranhense de Direitos Humanos e disponível gratuitamente para download AQUI , o professor do Departamento de História da Universidade Federal do Maranhão - UFMA, Wagner Cabral da Costa, faz interessante questionamento sobre o assunto:

Por quê, afinal de contas, a opção pelo tráfico, seu “consumo de estilo”, seu “ethos guerreiro” de afirmação masculina (como aponta a antropóloga Alba Zaluar), foi e continua sendo atrativa para parcelas da juventude periférica? Por quê tornar-se “pedreiro” (de vendedor de “pedra”, “crack”, traficante)? Quais as redes de sociabilidade e solidariedade alternativas existentes nesses territórios? Quais as políticas públicas e seu impacto efetivo? Cadê o governo federal, estadual e a Prefeitura? Onde está a sociedade civil organizada?
COSTA, Wagner Cabral. Pedrinhas $.A.: a violência do negócio e o negocio da violência. Catirina, São Luis, n. 0, p. 35, Dez. 2014.




Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Credibilidade é o nosso maior patrimônio

Nosso objetivo é fazer jornalismo com seriedade, produzindo conteúdo regional, sobre política, economia, sociedade e atualidade, na forma de opinião, editorial e criticas.

Não usamos de artifícios como sensacionalismo, imagens apelativas, chocantes ou degradantes, tampouco textos, frases, ou palavras chulas para obter acessos.

Não somos o primeiro a divulgar a informação, mas somos quem apresenta o conteúdo checado, aprofundado e diferenciado.

Aqui oferecemos aquele algo mais que ainda não foi dito, ou ainda não foi mostrado.

Noticias qualquer um pode divulgar, mas com apuração e seriedade só aqui.

Comentários anônimos, ou que contenham, palavrões, pornografia, ataques pessoais, calúnias ou difamações não serão publicados.

Jornalista Abimael Costa

Ouça a Rádio Voz de Arari

PLAYER

LG Contabilidade Pública

LG Contabilidade Pública

Clinica Santo André

Clinica Santo André

Ouça a Rádio Voz de Arari

PLAYER

Apoie, assine e compartilhe

Crie seu próprio questionário de feedback de usuário

REGISTRO - 1608/MA

REGISTRO - 1608/MA

O amanhã é hoje

O amanhã é hoje

DISQUE DENÚNCIA - MIRANDA DO NORTE

DISQUE DENÚNCIA - MIRANDA DO NORTE

...

...

GCL - CONSTRUÇÕES

GCL - CONSTRUÇÕES

Fale Comigo

Nome

E-mail *

Mensagem *