segunda-feira, 19 de março de 2018

A POLÍCIA E A POLÍTICA




A Polícia Militar do Maranhão foi criada no período regencial, entre o primeiro e o segundo Império. Instituição pioneira, ela transpôs quase 200 anos de história sofrendo mudanças, evoluções e adaptações, passando por todos os modelos de policiamento, desde o político, o modelo profissional até a atuação como polícia comunitária, guardiã da cidadania.

A PM atravessou todas as turbulências da história do país, com golpes de estado, períodos de democratização, ditadura militar, Império, República, insurreições, duas guerras mundiais e sete diferentes Constituições. O segredo de sua longeva permanência é jamais ter sucumbido à lógica circunstancial da política. Instituição permanente, ela representa o valor da ordem e da paz social no estado de direito.

Por isso é mais que preocupante vermos em nosso Maranhão prosperar uma artificial e extemporânea polêmica que busca colocar a Polícia no espectro das divergências ideológicas, na cediça discussão que opõe agrupamentos políticos.

Tentar intrigar figuras públicas com a PM, levando o debate para o terreno das lealdades políticas, é uma indignidade com a história da PM e um desserviço à sua missão constitucional.

A PM só tem um lado: o da sociedade! Suas virtudes, seus erros, suas conquistas, são desafios de todos nós. Devemos ter olhos para ver as condições em que ela opera, o sacrifício no limite do desumano de seus membros, expostos à escalada da violência e ao esgarçamento do tecido social.

Devemos discutir as políticas de segurança, seus enormes desafios que impõem soluções institucionais ousadas e urgentes. Mas o limite para tal é estabelecer um jejum ideológico que preserve e valorize uma instituição que, no limite, simboliza a própria condição do exercício da democracia e dos direitos e garantias fundamentais da dignidade humana.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Credibilidade é o nosso maior patrimônio

Nosso objetivo é fazer jornalismo com seriedade, produzindo conteúdo regional, sobre política, economia, sociedade e atualidade, na forma de opinião, editorial e criticas.

Não usamos de artifícios como sensacionalismo, imagens apelativas, chocantes ou degradantes, tampouco textos, frases, ou palavras chulas para obter acessos.

Não somos o primeiro a divulgar a informação, mas somos quem apresenta o conteúdo checado, aprofundado e diferenciado.

Aqui oferecemos aquele algo mais que ainda não foi dito, ou ainda não foi mostrado.

Noticias qualquer um pode divulgar, mas com apuração e seriedade só aqui.

Comentários anônimos, ou que contenham, palavrões, pornografia, ataques pessoais, calúnias ou difamações não serão publicados.

Jornalista Abimael Costa