quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

Invisibilizados e marginalizados, meninos acorrentados são vítimas do Estado e da sociedade



Famílias como a dos dois garotos mantidos em cárcere privado, encontrados pela polícia, acorrentados e sem direito alimentação, dentro de uma casa humilde em uma região pobre da zona rural de São Luís, existem aos milhares em São Luís e em todo o estado do Maranhão. ENTENDA O CASO 

Relegados a própria sorte, esses indivíduos são excluídos e marginalizados por uma sociedade egoísta, narcisista e preconceituosa e por um Estado apático, conivente, desumano e criminoso. 


Mantidas na invisibilidade por pura conveniência do sistema, eles só aparecem quando são protogonistas de dramas e tragédias. Aí ocupam as páginas polícias e as chamadas de destaque dos programas policialescos e populares. Quase sempre sem nenhuma proteção, são rotulados como párias e marginais, tornando-se assim duplamente vítimas de discriminação e preconceito.

Isso tudo é provocado pela decisão da mídia em abusar da espetacularização da notícia. O objetivo principal é sair na frente, publicar primeiro e assim, liderar o número de likes, acessos, leitores, ouvintes e espectadores.  

A apuração rasa e superficial enfoca apenas o lado policialesco do caso, para isso é preciso encontrar um culpado, dar a ele um rótulo, destacar a, ou as vitima sempre com rótulos apelativos, é pronto, a fórmula da notícia como produto de mercado vendável está concluída com sucesso.          
Ao invés de expor a mãe dos meninos com rótulos preconceituosos, porque  não questionar onde estavam os órgãos estatais responsáveis pela proteção e defesa de crianças e adolescentes, as muitas ONGs e grupos do terceiro setor que trabalham nas periferias.

Os CONSELHOS ESTADUAL e MUNICIPAL de Defesa da criança e do adolescente, os programas sociais que visam resgatar a cidadania e a dignidade de famílias como essa, a turma responsável pela busca ativa, ninguém conseguiu localizar as vítimas? Em que escola os meninos estudam? o conselho tutelar mesmo provocado não conseguiu evitar o pior, porque? 

A verdade é que a tão propagada rede de proteção  social falhou, mesmo irrigada por vultosos recursos públicos não conseguiu evitar que a mãe perdesse o controle da situação.   

Uma simples ligação anonima, talvez feita por um vizinho incomodado com a situação, levou a polícia ao local.  A partir de então, a mãe passou a ser crucificada por manter os filhos presos, apesar de alegar que trabalha em uma pequena banca de café na Cohab, e que os garotos praticavam pequenos roubos na região, e que já não tinha controle sobre eles, mesmo tendo procurado o conselho tutelar, nada foi feito para solucionar o caso.       

O desfecho do caso, é que os meninos foram enviados para um abrigo, o tio que estava na casa no momento da ação policial está preso, e a mãe está sendo ouvida pela polícia.    

As causas desta tragédia, como a de todas as que já caíram no esquecimento,  são rapidamente varridas para debaixo do tapete, não interessa discutir tal tema, os responsáveis e culpados - Estado e sociedade - se eximem de suas culpas, a mídia elege os pais e familiares como monstros culpados de todo o caos, e a vida segue seu rumo, as mesas fartas, as ceias abastadas, a distribuição de cestas básicas e as mensagens de Boas Festas e Feliz 2019 inundam as redes sociais. 

Elizetes, Luizes e milhares de meninos que vivem em situação de abandono, miséria e exclusão seguirão estereotipados, invisibilizados e discriminados.              


Não é fácil construir uma sociedade igualitária que evite a ruptura dos laços familiares, eduque de forma adequada as crianças, diga não às drogas, encontre alternativas às cadeias, acabe com as armas e aplique justiça com isenção.

Não existem soluções mágicas. Elas dependem do envolvimento de cada um de nós na educação das crianças nascidas na periferia do tecido social. Enquanto não aprendermos a orientar os pais e a oferecer-lhes medidas preventivas para que evitem ter filhos que não serão capazes de criar, cabe a nós a responsabilidade de integrar essas crianças na sociedade por meio de educação formal de bom nível, práticas esportivas e oportunidade de desenvolvimento artístico.

A sociedade atual é marcada pelo individualismo e pelo consumismo. Por consequência é uma sociedade que gera uma gama elevada de indivíduos marginalizados e submetidos a níveis de pobreza e de desigualdades bastante significativos. 

Essa conjuntura leva à ruptura de alguns valores importantes e de instituições tradicionais, como, por exemplo: a família. Marcados pela miséria, exclusão, deseducação, falta de valores éticos e morais, bem como da ausência de direitos mínimos para se viver dignamente, muitos indivíduos têm enormes dificuldades e, em consequência, ocorre, muitas vezes, a desestruturação familiar. 



Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Credibilidade é o nosso maior patrimônio

Nosso objetivo é fazer jornalismo com seriedade, produzindo conteúdo regional, sobre política, economia, sociedade e atualidade, na forma de opinião, editorial e criticas.

Não usamos de artifícios como sensacionalismo, imagens apelativas, chocantes ou degradantes, tampouco textos, frases, ou palavras chulas para obter acessos.

Não somos o primeiro a divulgar a informação, mas somos quem apresenta o conteúdo checado, aprofundado e diferenciado.

Aqui oferecemos aquele algo mais que ainda não foi dito, ou ainda não foi mostrado.

Noticias qualquer um pode divulgar, mas com apuração e seriedade só aqui.

Comentários anônimos, ou que contenham, palavrões, pornografia, ataques pessoais, calúnias ou difamações não serão publicados.

Jornalista Abimael Costa

LG Contabilidade Pública

LG Contabilidade Pública

Clinica Santo André

Clinica Santo André
Crie seu próprio questionário de feedback de usuário

REGISTRO - 1608/MA

REGISTRO - 1608/MA

O amanhã é hoje

O amanhã é hoje

DISQUE DENÚNCIA - MIRANDA DO NORTE

DISQUE DENÚNCIA - MIRANDA DO NORTE

...

...

GCL - CONSTRUÇÕES

GCL - CONSTRUÇÕES

Fale Comigo

Nome

E-mail *

Mensagem *