segunda-feira, 11 de maio de 2020

Vidas serão salvas graças à emenda constitucional 106, afirma Hildo Rocha



O deputado Hildo Rocha foi um dos oito congressistas escolhidos para fazer pronunciamento durante a sessão do Congresso Nacional, que promulgou a Emenda Constitucional 106, conhecida como “orçamento de guerra”, cujo objetivo é municiar o governo de instrumentos para administrar as contas públicas e as ações de enfrentamento à pandemia da Covid- 19.


“Estou me pronunciando nessa sessão do Congresso Nacional para parabenizar o autor da PEC10/2020, agora uma emenda constitucional. Nessa emenda constitucional 106, Rodrigo Maia trabalhou junto com os líderes de todos os partidos, de diferentes pensamentos, de direita, esquerda, centro, ouviu todos, e ouviu também o Governo Federal. Tudo isso com o propósito de colocar nessa emenda o necessário para dar embasamento constitucional ao Governo Federal, para que ele possa enfrentar a maior dificuldade deste século, pela qual passam os brasileiros, que é essa pandemia que nós estamos vivendo em função da COVID-19”.

ORÇAMENTO PARALELO

Durante o pronunciamento, o deputado maranhense deixou claro que a emenda constitucional 106 permite ao governo criar um orçamento específico para as despesas com o combate a pandemia, permite criação de despesas sem vínculos às normas tradicionais, dispensa o governo de cumprir a regra de ouro, e simplifica os processos de contratação de pessoal e de obras.


“Com essa emenda constitucional o Governo Federal terá condições de criar um novo orçamento, um orçamento paralelo. É um orçamento que vai comportar todos os gastos necessários para o combate à COVID-19, no aspecto sanitário, econômico e social, porque essa pandemia afeta vários aspectos da vida do brasileiro. Agora, inclusive, o Presidente Jair Bolsonaro e sua equipe estão autorizados a emitir títulos da dívida para manter despesas correntes, bancar despesa de custeio, sem afrontar a regra de ouro”, assegurou o parlamentar Maranhense.

BANCO CENTRAL MAIS FORTE

O Banco Central foi fortalecido com a emenda constitucional 106. A instituição poderá comprar e vender direitos de crédito e títulos privados no mercado secundário. O BC não tinha autorização para fazer isso. Com a permissão para a compra de títulos privados, o Banco Central injetará recursos na economia, em um momento em que os bancos estão retendo novos empréstimos.

“O Banco Central passa a ter condições legais para apoiar muito mais os brasileiros, nesse momento difícil. Agora, os dirigentes e servidores do Banco Central, com a promulgação dessa emenda constitucional, podem trabalhar com mais tranquilidade, com a certeza de que as ações tomadas doravante e as que já foram realizadas - aquelas feitas a partir de março - também estão amparadas por essa emenda, e contam com a garantia de que não serão, de forma nenhuma, prejudicados mais à frente”, garantiu o deputado Hildo Rocha.

VIDAS SALVAS

Ao finalizar o seu pronunciamento o deputado Hildo Rocha falou sobre as milhares de vidas de brasileiros que serão salvas graças a emenda constitucional 106.

“Tenho absoluta certeza que essa emenda constitucional ajudará a salvar as vidas de milhares de brasileiros. Fico feliz em poder ter contribuído para que essa emenda fosse confeccionada e aprovada”, concluiu o deputado Hildo Rocha.

https://youtu.be/Oblr6hxLx90 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Credibilidade é o nosso maior patrimônio

Nosso objetivo é fazer jornalismo com seriedade, produzindo conteúdo regional, sobre política, economia, sociedade e atualidade, na forma de opinião, editorial e criticas.

Não usamos de artifícios como sensacionalismo, imagens apelativas, chocantes ou degradantes, tampouco textos, frases, ou palavras chulas para obter acessos.

Não somos o primeiro a divulgar a informação, mas somos quem apresenta o conteúdo checado, aprofundado e diferenciado.

Aqui oferecemos aquele algo mais que ainda não foi dito, ou ainda não foi mostrado.

Noticias qualquer um pode divulgar, mas com apuração e seriedade só aqui.

Comentários anônimos, ou que contenham, palavrões, pornografia, ataques pessoais, calúnias ou difamações não serão publicados.

Jornalista Abimael Costa