sexta-feira, 22 de janeiro de 2021

Casos de covid-19 sobem 125% em Miranda do Norte



Nos últimos 30 dias, Miranda do Norte registrou alta de 125% no números de casos confirmados de covid-19. Por si só os dados da SEMUS - Secretaria Municipal de Saúde, disponibilizados através dos Boletins Epidemiológicos são alarmantes e merecem atenção da população.


Vale refletir sobre a alta exacerbada na curva de transmissão do Sars-CoV-2 nos últimos 30 dias em Miranda do Norte. Saltamos de 71 casos em 22/12/2020 para 160 casos em 21/01/2021. Onde falhamos? Bastar sair às ruas para perceber que as medidas de prevenção foram abandonadas, relaxadas e colocadas de lado por significativa parcela da população. 


Abro um parêntese para destacar  o persistente e árduo trabalho desenvolvido pela Secretaria Municipal de Saúde, sob o comando da secretária Alexandra Reis, com a criação de uma ala  especifica para atendimento 24 horas de casos de síndromes gripais,  - Área 01 - referencia no combate ao novo Corona vírus -    além de um centro de testagem covid-19 à disposição dos mirandenses.


 No que pese todo esse excelente trabalho de acolhimento e atendimento aos que apresentam sintomas, é preciso o apoio e a contribuição da população para quebrar de vez a cadeia de transmissão, barrar o aumento de casos. Se isso não acontecer logo, corremos o sério risco de um estrangulamento na capacidade de atendimento de nosso sistema de saúde. Se muitas pessoas adoecem ao mesmo tempo e precisam de cuidados médicos, em algum momento o sistema vai saturar.  Prevenir é melhor que remediar.                         

As máscaras passaram rapidamente de itens de proteção e de uso obrigatório, para adereços de uso meramente decorativo. O distanciamento social e os cuidados para evitar aglomerações e locais com fluxo intenso de pessoas foram deixados para trás. O álcool em gel antes tão procurado e visto junto com a agua e o sabão como os únicos meios capazes de neutralizar e eliminar o vírus assassino, foram solenemente ignorados. 

Enquanto o resto do mundo sofre os efeitos devastadores de uma segunda onda da pandemia, com episódios aterrorizantes em varias regiões do Brasil, - basta ver o exemplo de Manaus ainda bem vivo em nossas lembranças as imagens de pessoas morrendo asfixiadas por falta de oxigênio na rede hospitalar, outras morrendo em casa por falta de vagas na rede de saúde - Miranda do Norte, a beira dos 200 casos e apesar dos inúmeros apelos, parece anestesiada, entorpecida, sem se dar conta da gravidade do momento caminha a passos largos para o abismo.

A pandemia não acabou, longe disso, o que temos é um agravamento da crise, nunca foram registrados tantos casos e nunca tivemos tantas internações e mortes provocadas pela Covid-19 e por suas complicações como agora. Os casos de reinfecção sobem a todo instante, quem já foi infectado não está seguro. Novas variantes do vírus, com alto poder de contágio, se espalham mundo afora, com registro de casos em Manaus e São Paulo.

Ainda tem com evitar o pior, ainda é possível reverter o quadro caótico, basta cada um fazer a sua parte. O vírus segue circulando - a pandemia não acabou.
Reforce as medidas de proteção:

- Use máscara

- Evite aglomerações

- Use álcool em gel

- Lave as mãos com água e sabão

- Se apresentar sintomas, procure imediatamente uma unidade de saúde.
  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Credibilidade é o nosso maior patrimônio

Nosso objetivo é fazer jornalismo com seriedade, produzindo conteúdo regional, sobre política, economia, sociedade e atualidade, na forma de opinião, editorial e criticas.

Não usamos de artifícios como sensacionalismo, imagens apelativas, chocantes ou degradantes, tampouco textos, frases, ou palavras chulas para obter acessos.

Não somos o primeiro a divulgar a informação, mas somos quem apresenta o conteúdo checado, aprofundado e diferenciado.

Aqui oferecemos aquele algo mais que ainda não foi dito, ou ainda não foi mostrado.

Noticias qualquer um pode divulgar, mas com apuração e seriedade só aqui.

Comentários anônimos, ou que contenham, palavrões, pornografia, ataques pessoais, calúnias ou difamações não serão publicados.

Jornalista Abimael Costa