quarta-feira, 14 de julho de 2021

Resgatadas em Vargem Grande, 14 pessoas em condições análogas à de escravos


Na noite da última terça-feira (13), 14 pessoas mantidas em condições análogas à de escravos foram resgatadas durante operação deflagrada pela Polícia Civil e Guarda Municipal no Povoado Mucambo, em Vargem Grande.

Dentre as vítimas, havia uma mulher, dois menores e um senhor de 59 anos, que era obrigado a caminhar pelo matagal por até duas horas em busca da palha de carnaúba.

O cativeiro foi descoberto após três vítimas procurarem alimentos e ajuda nas casas do povoado, que denunciaram o fato à Polícia.

No local, foi preso um dos prepostos dos empregadores das vítimas, o nacional P.G.S., 41 anos, pela participação nos crimes acima narrados.

TRÁFICO DE PESSOAS
 
Os trabalhadores também foram vítimas do crime de tráfico de pessoas, pois foram iludidos em sua terra de origem - interior do Ceará - e atraídos até Vargem Grande com a falsa promessa de alimentação e salários condignos; e estadia e condições de trabalho salubres.

Ao chegarem no povoado Mucambo, as vítimas foram submetidas pelos prepostos de seus empregadores a uma jornada extenuante de trabalho (12 horas diárias); alojamentos imundos, sem água encanada ou banheiros; alimentação indigna (arroz, ovos e mortadela).

Muitos desses trabalhadores contraíram antecipadamente dívidas com seus empregadores a título de adiantamento, e por isso obrigando-se a trabalhar em outro estado nas condições degradantes em que foram encontrados.

As vítimas só receberiam os respectivos salários quando retornassem ao Ceará, após três meses de trabalho. Até lá, não tinham acesso a qualquer outro recurso, e por isso não poderiam de outra forma regressar às suas cidades de origem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Credibilidade é o nosso maior patrimônio

Nosso objetivo é fazer jornalismo com seriedade, produzindo conteúdo regional, sobre política, economia, sociedade e atualidade, na forma de opinião, editorial e criticas.

Não usamos de artifícios como sensacionalismo, imagens apelativas, chocantes ou degradantes, tampouco textos, frases, ou palavras chulas para obter acessos.

Não somos o primeiro a divulgar a informação, mas somos quem apresenta o conteúdo checado, aprofundado e diferenciado.

Aqui oferecemos aquele algo mais que ainda não foi dito, ou ainda não foi mostrado.

Noticias qualquer um pode divulgar, mas com apuração e seriedade só aqui.

Comentários anônimos, ou que contenham, palavrões, pornografia, ataques pessoais, calúnias ou difamações não serão publicados.

Jornalista Abimael Costa