quarta-feira, 4 de agosto de 2021

Polícia Civil prende suspeitos por estelionato no centro de Miranda do Norte

Dois indivíduos foram presos na manhã da última terça-feira (04), no centro de Miranda do Norte, em uma operação da Polícia Civil deflagrada com o objetivo de combater o crime de estelionato através da prática do uso de falsa documentação para validar benefícios sociais de pessoas já falecidas.

A operação que culminou com a prisão de J. R. C. F. e C. G. R. é parte das investigações conduzidas pelo delegado Renilto Ferreira, titular da depol de Miranda do Norte.

Os dois investigados foram presos quando chegavam a uma agência bancária desta cidade para a colocar em prática o ato criminoso.

Em poder dos detidos foi apreendido um RG falso em nome de pessoa já falecida, documento que conforme o delegado titular da operação, seria usado para a prática do crime de fraude.

Autuados em flagrante, os investigados foram encaminhados ao Presídio local onde ficaram à disposição da justiça.

Sejam nossos olhos e ouvidos por toda cidade. Mande sua denúncia para o WhatsApp 98 98465 2125 ou pelo Instagram policia_civil_miranda_oficial. Sua denúncia é recebida apenas pelo delegado titular e o anonimato é garantido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Credibilidade é o nosso maior patrimônio

Nosso objetivo é fazer jornalismo com seriedade, produzindo conteúdo regional, sobre política, economia, sociedade e atualidade, na forma de opinião, editorial e criticas.

Não usamos de artifícios como sensacionalismo, imagens apelativas, chocantes ou degradantes, tampouco textos, frases, ou palavras chulas para obter acessos.

Não somos o primeiro a divulgar a informação, mas somos quem apresenta o conteúdo checado, aprofundado e diferenciado.

Aqui oferecemos aquele algo mais que ainda não foi dito, ou ainda não foi mostrado.

Noticias qualquer um pode divulgar, mas com apuração e seriedade só aqui.

Comentários anônimos, ou que contenham, palavrões, pornografia, ataques pessoais, calúnias ou difamações não serão publicados.

Jornalista Abimael Costa