terça-feira, 8 de fevereiro de 2022

Indicados por Hildo Rocha são eleitos por aclamação para comandar o Grupo de Trabalho de Parlamentares Brasileiros do Parlatino


Durante reunião virtual do Grupo de Trabalho de Parlamentares Brasileiros do Parlatino, por sugestão do deputado federal Hildo Rocha, o senador Nelsinho Trad e a senadora Daniela Ribeiro foram eleitos por aclamação para os cargos de representante do parlamento brasileiro na Assembleia do Parlatino e vice-presidente do colegiado, no grupo do Brasil.

Antes, a presidência do Grupo era exercida pelo senador Antônio Anastasia. O deputado Hiran Gonçalves era o vice-presidente. Anastasia renunciou ao mandato porque foi eleito pelo Congresso Nacional para ocupar a vaga de Ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) que vagou com a aposentadoria do ministro Raimundo Carreiro.



“O agora ministro do TCU, Antônio Anastasia informou, na ocasião, que tanto o senador Nelsinho Trad quanto a senadora Daniela Ribeiro haviam manifestado vontade de colaborar ainda mais com o grupo, colocando o nome deles à disposição para serem representante do Brasil na Assembleia do Parlatino e vice-presidente do grupo. Então, eu sugeri que esses nomes fossem eleitos para os respectivos cargos por aclamação. Os nomes foram prontamente aceitos e aclamados pelos meus colegas de parlamento. Assim, o deputado Hiran passou de vice para presidente da representação brasileira no Parlamento Latino e Caribenho (Parlatino), e o cargo de vice-presidente da organização foi preenchido pela senadora Daniela Ribeiro”, explicou Hildo Rocha.

Desafios

Hildo Rocha ressaltou que o grupo tem pela frente o grande desafio de colocar em pauta questões relevantes do País e contribuir para o aprimoramento, fortalecimento, integração e harmonia entre os países componentes do Parlatino.

“Tenho certeza de que o deputado Hiran vai fazer um trabalho excelente, vai levar as dificuldades do nosso imenso País e pautar temas que afetam o mundo e, em especial, os países localizados no continente americano que integram o Parlatino. O senador, e agora ministro, Anastasia fez um mandato exemplar e, sem dúvida nenhuma, continuará apoiando esse grupo. Mesmo não estando no mandato de senador, pelo que posso perceber ele é um homem que também busca a perfeita harmonia entre os países do nosso continente e do mundo. Então, eu vejo que o Parlatino é um instrumento muito bom para que a gente possa preservar a boa harmonia entre todos os países da América Latina e do Caribe”, afiançou Hildo Rocha.

O Parlatino

O Parlamento Latino-Americano (Parlatino) é uma organização regional, permanente e unicameral, integrada pelos Parlamentos Nacionais da América Latina, eleitos democraticamente mediante sufrágio popular. Participam do grupo 22 países: Antilhas Holandesas, Argentina, Aruba, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Equador, El Salvador, Guatemala, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana, Suriname, Uruguai e Venezuela.

Constituído em 7 de dezembro de 1964, na cidade de Lima, no Peru, o Parlatino tem os seguintes princípios:

1 - A defesa da democracia;

2 - A integração latino-americana;

3 - A não-intervenção;

4 - A autodeterminação dos povos;

5 - A pluralidade política e ideológica como base de uma comunidade latino-americana democraticamente organizada;

6 - A igualdade jurídica dos Estados;

7 - A reprovação à ameaça e ao uso da força contra a independência política e a integridade territorial de qualquer Estado;

8 - A solução pacífica, justa e negociada das controvérsias internacionais;

9 - A preponderância dos princípios do Direito Internacional referente às relações de amizade e a cooperação entre os Estados.

A sede permanente do Parlamento Latino-Americano fica na cidade do Panamá, capital do Panamá, a presidência atualmente é ocupada pelo deputado do Chile Jorge Pizarro Soto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Credibilidade é o nosso maior patrimônio

Nosso objetivo é fazer jornalismo com seriedade, produzindo conteúdo regional, sobre política, economia, sociedade e atualidade, na forma de opinião, editorial e criticas.

Não usamos de artifícios como sensacionalismo, imagens apelativas, chocantes ou degradantes, tampouco textos, frases, ou palavras chulas para obter acessos.

Não somos o primeiro a divulgar a informação, mas somos quem apresenta o conteúdo checado, aprofundado e diferenciado.

Aqui oferecemos aquele algo mais que ainda não foi dito, ou ainda não foi mostrado.

Noticias qualquer um pode divulgar, mas com apuração e seriedade só aqui.

Comentários anônimos, ou que contenham, palavrões, pornografia, ataques pessoais, calúnias ou difamações não serão publicados.

Jornalista Abimael Costa