A BANALIDADE DO MAL : Homem solta fogos de artifício e comemora a morte de Alberto Rocha, prefeito de Santa Quitéria - VÍDEO



O vídeo com cenas macabras e deprimentes de um "homem" soltando fogos e festejando a morte de Alberto Rocha, (45), prefeito do município maranhense de Santa Quitéria , vitima de covid-19, provoca repulsa, indignação, revolta e muitos questionamentos.  Santa Quitéria em LUTO: Vítima de Covid-19, morre aos 45 anos, Alberto Rocha, prefeito do município

Afinal, a que ponto chegamos? onde falhamos?  De uma coisa tenho certeza, a banalidade do mal se entranhou como um câncer na sociedade humana, a metástase contaminou e comprometeu todos os "órgãos vitais" que sustentam o que conhecemos como "mundo dos humanos". 

O humanismo, base da sociedade por séculos há fio, está corroído, carcomido e destruído. A normose é a palavra de ordem destes novos tempos sombrios onde a banalidade do mal dita as regras e, recebe aprovação e louvor dos ditos e tidos como "cidadãos de bem".

Me parece nem valer mais apena questionar  os motivos que levam um individuo dito e tido como "normal" a agir de forma tão abjeta, cruel, desumana e antiética.

Massacrar e tripudiar a honra e a dignidade de um homem que já não pode mais se defender,  desrespeitar, ignorar, comemorar e festejar a dor e sofrimento de uma comunidade, de um grupo, de uma família para mim são crimes hediondos que merecem a devida atenção do Estado sob pena de se institucionalizar a barbárie.

Os sintomas de degradação da dita sociedade moderna estão claros, evidentes e escancarados. Estamos em uma encruzilhada, todo ser humano racional precisa se questionar, tomar posição sobre o tema, afinal é impossível se isentar, passar ao largo, fechar os olhos e os ouvidos. Adotar a normose, acreditem, não é o melhor opção. Ainda é possível reagir!      

Abimael Costa - 07/06/2020

“Nenhum homem é uma ilha, inteiramente isolado, todo homem é um pedaço de um continente, uma parte de um todo. Se um torrão de terra for levado pelas águas até o mar, a Europa fica diminuída, como se fosse um promontório, como se fosse o solar de teus amigos ou o teu próprio; a morte de qualquer homem me diminui, porque sou parte do gênero humano. E por isso não perguntai: Por quem os sinos dobram; eles dobram por vós” John Donne. “Meditação XVII” (1623), do livro ‘Devotions Upon Emergent Occasions’, (1624)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dois homens saem gravemente feridos de colisão entre van e motocicleta na BR-135, entre Miranda e Matões do Norte

Morre em Sâo Luís jovem vítima de colisão na BR-135 em Miranda do Norte

Miranda do Norte festeja seus 24 anos -Conheça a história do Município